Avaliação pré-clínica do transplante de células-tronco mesenquimais em modelo experimental de doença de Parkinson

Avaliação pré-clínica do transplante de células-tronco mesenquimais em modelo experimental de doença de Parkinson

Título alternativo Preclinical study of mesenchymal stem cell transplantation in an experimental model of ParkinsonÆs Disease
Autor Pereira, Márcia Cristina Leite Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Okamoto, Oswaldo Keith Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Dentre as novas estratégias terapêuticas atualmente em consideração para a Doença de Parkinson (DP), destacam-se os processos neuro-restauradores promovidos pela terapia celular. Embora estudos clínicos iniciais com transplante alogênico de células mesencefálicas fetais tenham demonstrado aumento de síntese de dopamina e atenuação de rigidez e bradicinesia em pacientes transplantados, estudos clínicos randomizados, duplo-cegos e placebo controlados subseqüentes não encontraram melhora clínica significativa, além de reportarem efeitos adversos como distonias e discinesias. Assim, questões fundamentais como tipos alternativos de células para transplante, dose e vias de administração, bem como efeitos terapêuticos e riscos específicos envolvidos, ainda persistem e devem ser avaliadas em uma fase pré-clínica. No presente estudo, investigamos o potencial terapêutico de células-tronco mesenquimais (CTM) obtidas de cordão umbilical humano, uma fonte biológica rica em CTM e de fácil acesso, em um modelo experimental de DP induzido pela neurotoxina 1-metil, 4-fenil, 1, 2, 3,6-tetrahidropiradina (MPTP). Quando administradas no ventrículo cerebral direito de ratos, apenas uma pequena quantidade de CTM permaneceu no cérebro após sete dias, principalmente no Estriado ipsilateral ao local de injeção, conforme revelado por análises de imunofluorescência com anticorpo específico para DNA humano. Esse padrão de distribuição foi encontrado tanto em ratos controles quanto em ratos expostos a MPTP. Por outro lado, quando injetadas diretamente no estriado direito do cérebro de ratos controles ou expostos a MPTP, CTM puderam ser detectadas em maior quantidade principalmente no estriado e na substância negra (SN), tanto no lado ipsilateral, quanto no lado contralateral ao sítio de infusão de células. A presença de CTM administradas pela via intraestriatal pôde ser constatada no cérebro de ratos por análise histológica e por ressonância magnética, em um período de até 30 dias pós-administração. Animais expostos a MPTP apresentaram déficits motores e degeneração bilateral de neurônios dopaminérgicos na SN, verificado tanto pela coloração de neurônios pelo método de Nissl, quanto pela marcação imunohistoquímica para tirosina hidroxilase. Entretanto, animais expostos a MPTP, mas que receberam CTM via intraestriatal, apresentaram maior preservação de neurônios dopaminérgicos na SN e melhora significativa de déficits motores (p< 0,05 pelo Teste de Bonferroni). O mesmo efeito não foi observado nos animais controles (sham), tampouco em animais transplantados com fibroblastos humanos. Esses resultados suportam o potencial uso de CTM de cordão umbilical humano no tratamento da DP e reforçam a continuidade dos estudos para entendimento dos mecanismos envolvidos e avaliação de eventuais efeitos adversos..
Assunto Doença de Parkinson
1-Metil-4-Fenil-1,2,3,6-tetra-hidropiridina
Células-tronco
Terapia baseada em transplante de células e tecidos
Cordão umbilical
Idioma Português
Data 2009
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2009. 107 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 107 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/10367

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta