Influências do exercício na resposta imune

Influências do exercício na resposta imune

Título alternativo Exercise influence on immune response
Autor Costa Rosa, Luiz Fernando Pereira Bicudo Google Scholar
Vaisberg, Mauro W Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade de São Paulo (USP)
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo ABSTRACT The study of the influence of exercise on immune response is a field in constant grow since the 1970s. The main areas studied are infection of upper respiratory airways in athletes submitted to extenuating exercises, the exercise as a model of stress and the effects of training as an adaptive mechanism to cope with stress. Exercise promotes an imbalance in organic homeostasis, and all of the systems, including the immune system, must adequate their function to this new situation. The responses to exercise can be expressed as acute response, a transitory response to stress and chronic adaptive response, when training provides better conditions for the organism to cope with stress. In both situations the components of the immune system, the cellular and humoral arms of the innate and adaptive systems, are affected by exercise. Not as a rule, one can say that moderate exercise is associated with a better function of the immune system and high intensity exercise in stressful situations is associated with a transitory state of immunodepression.

RESUMO O estudo da relação entre o exercício e a resposta imune teve grande impulso a partir da metade da década de 70, tendo como principais áreas de interesse o estudo da infecção de vias aéreas superiores em atletas submetidos a grandes esforços, o exercício como modelo de estresse e a resposta do treinamento como resposta adaptativa frente a situações de estresse. A descrição da interação entre os sistemas imune e neuroendócrino foi de importância capital no desenvolvimento desses estudos. O exercício gerando um desvio da homeostase orgânica leva à reorganização das respostas de diversos sistemas, entre eles o sistema imune. É adequado dividir a resposta ao exercício em resposta aguda, resposta transitória ao estresse e resposta de adaptação crônica, na qual o treinamento capacita o organismo a lidar com o estímulo estressante de maneira mais adequada. Ambas as respostas afetam os diversos componentes do sistema imune, tanto a resposta inata em seu componente celular compreendendo neutrófilos, macrófagos e células natural killer, como em seu componente humoral, proteínas de fase aguda, sistema do complemento e enzimas, como o sistema imune adaptativo, em seu componente celular (linfócitos T e B), como no componente humoral (anticorpos e citocinas). Apesar das incorreções que cometemos quando das generalizações, podemos dizer que, de modo geral, o exercício de intensidade moderada, praticado com regularidade, melhora a capacidade de resposta do sistema imune, enquanto o exercício de alta intensidade praticado sob condições estressantes provoca um estado transitório de imunodepressão.
Assunto Exercise
Immune system
Lymphocytes
Neutrophils
Macrophages
Natural killer cells
Exercício
Sistema imune
Linfócitos
Neutrófilos
Macrófagos
Células Natural Killer
Idioma Português
Data 2002-08-01
Publicado em Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, v. 8, n. 4, p. 167-172, 2002.
ISSN 1517-8692 (Sherpa/Romeo)
Editor Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte
Extensão 167-172
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922002000400006
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1517-86922002000400006 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1482

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1517-86922002000400006.pdf
Tamanho: 52.62Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta