Mielomeningocele: tratamento cirúrgico, complicações e resultados no primeiro ano de vida

Mielomeningocele: tratamento cirúrgico, complicações e resultados no primeiro ano de vida

Autor Salomão, José Francisco Manganelli Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Cavalheiro, Sérgio Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Foram estudados 100 portadores de mielomeningocele operados no Instituto Fernandes Figueira (M.S. - Fiocruz), Rio de Janeiro, R.J., entre janeiro de 1987 e setembro de 1995. As caracteristicas epidemiologicas nao diferiram das observadas na literatura especializada. Nenhum criterio de selecao de pacientes foi adotado e todas as lesoes foram corrigidas. Quarenta e um pacientes foram operados nas primeiras 48 horas de vida e 57 apos este periodo. Em dois pacientes, o tempo de correcao nao foi determinado. Foram registradas 53 complicacoes relacionadas a correcao do defeito em 45 pacientes, 37 das quais (69,8%) envolvendo a ferida operatoria. Em 74 pacientes ja havia evidente hidrocefalia por ocasiao do nascimento e que, posteriormente, foi confirmada por ultra-sonografia transfontanelar e/ou tomografia computadorizada. No total, apenas 17% dos pacientes nao necessitaram de sistema de derivacao ventricular para controle da hidrocefalia. Em 14 pacientes houve ventriculite registrada no primeiro mes de vida e considerada complicacao diretamente relacionada ao disrafismo aberto, independentemente ou nao da coexistencia de derivacao ventricular. Nestes casos, os microorganismos isolados foram os habitualmente contaminantes de lesoes disraficas e do trato intestinal. Com excecao de um paciente, todos os que desenvolveram ventriculite tiveram o defeito corrigido tardiamente (apos 48 horas de nascido). Onze por cento dos pacientes desenvolveram sinais e sintomas da Malformacao de Chiari do tipo II, e a mortalidade neste grupo foi 54,5%. Os casos mais graves e de pior evolucao foram aqueles que nao responderam a implantacao de derivacao ventricular ou que ja tinham sistema implantado e funcionante. No total, 13 pacientes faleceram durante o primeiro ano de vida. A mortalidade relacionou-se especificamente a MCh II e a ocorrencia de ventriculite. Assim sendo, dentre os falecidos, seis (46,1%) pacientes apresentaram sinais e sintomas da MCh II e oito (61,5%), evidencias de ventriculite, em algum momento da evolucao da doenca
Assunto Meningomielocele
Disrafismo espinal
Idioma Português
Data 1997
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 94 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 94 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15339

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta