Efeitos do monossialogangíosideo GM1, sobre a sensibilização comportamental produzida por etanol e anfetamina

Efeitos do monossialogangíosideo GM1, sobre a sensibilização comportamental produzida por etanol e anfetamina

Autor Bellot, Rogerio Gentil Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Frussa-Filho, Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Gangliosideos sao glicoesfingolipidios que contem moleculas de acido sialico em sua estrutura. Estas substancias podem ser encontradas nas membranas plasmaticas de todos os tecidos de vertebrados, concentrando-se, entretanto, no sistema nervoso (Ledeen, 1984). O fato de os gangliosideos estarem presentes em altas concentracoes nas terminacoes sinapticas (Hansson et al., 1977) levou ao estudo de um possivel papel dessas substancias nao somente na transmissao neuronal (Svernholm, 1980), mas tambem na plasticidade neuronal (Agnati et al., 1983; Vital et al., 1995a). Nesse sentido a administracao exogena de gangliosideos parece produzir efeitos importantes sobre a plasticidade do sistema dopaminergico. Com efeito, diversos trabalhos demonstraram o efeito da administracao repetida de gangliosideos exogenos sobre a recuperacao de diferentes tipos de lesao no sistema dopaminergico (Toffano et al., 1983; Raiteri et al., 1985; Agnati et al., 1985; Raiteri et al, 1992; Schneider, 1992; 1995). Paralelamente, Vital et al. (1995a) demonstraram que enquanto a administracao prolongada de GM1 concomitantemente ao haloperidol, foi capaz de potencializar o aumento da atividade locomotora e do comportamento estereotipado decorrentes da retirada abrupta do neuroleptico, a administracao repetida do glicoesfingolipidio apos a retirada do tratamento prolongado com haloperidol, atenuou esses efeitos. Algumas respostas exibidas por animais de laboratorio a psicoestimulantes intensificam-se apos a administracao repetida (Robinson & Becker, 1986; Hoffman & Wise, 1992). Diversos termos tem sido utilizados para a denominacao desse fenomeno, como por exemplo, tolerancia reversa, facilitacao comportamental e sensibilizacao comportamental, sendo este ultimo, mais frequentemente utilizado (Szechtman et al., 1994). Nesse contexto, a administracao repetida tanto de anfetamina (Robinson & Becker, 1986) como de doses baixas de etanol (Masur et al., 1986) promovem o aparecimento do fenomeno da sensibilizacao comportamental ao efeito estimulante motor. Diferentes observacoes experimentais indicam que o sistema dopaminergico mesolimbico vem a ser o principal substrato neuronal subjacente nao apenas ao fenomeno de sensibilizacao comportamental, como tambem as propriedades reforcadoras das drogas psicoestimulantes. Nesse sentido, Piazza et al. (1989) verificaram que os ratos mais predispostos a desenvolver sensibilizacao a hiperatividade locomotora induzida pela anfetamina tambem eram aqueles a apresentar maior predisposicao a auto-administracao dessa droga. O objetivo do presente trabalho foi, portanto, verificar a existencia de um possivel efeito da administracao exogena do gangliosideo GM1 sobre a sensibilizacao comportamental a atividade locomotora produzida pelo tratamento repetido com etanol ou anfetamina. Os principais resultados obtidos foram: 1. O tratamento repetido com GM1 atenuou tanto o efeito excitatorio motor como a sensibilizacao comportamental produzidos pelo etanol.2 A administracao aguda de GM1 nao foi efetiva em reduzir o efeito excitatorio motor induzido pela administracao aguda de etanol. 3. O tratamento repetido com GM1 nao modificou a concentracao plasmatica de etanol. 4. O tratamento repetido com GM1 atenuou a sensibilizacao comportamental produzida pela anfetamina. 5. A administracao aguda de GM1 nao foi efetiva em reduzir o efeito excitatorio motor induzido pela administracao aguda de anfetamina. 6. Em nenhum dos tratamentos realizados foi verificado qualquer efeito do GM1 per se sobre a atividade locomotora de camundongos observados em campo aberto. Ao mesmo tempo em que corroboram o importante papel dos gangliosideos sobre a plasticidade da transmissao dopaminergica central, nossos resultados sugerem um interessante, embora ainda especulativo potencial terapeutico do GM1 no tratamento da dependencia psicologica a psicoestimulantes
Assunto Gangliosidose GM1
Etanol
Dextroanfetamina
Comportamento animal/efeitos de drogas
Transtornos rrelacionados ao uso de substâncias
Idioma Português
Data 1997
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 85 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 85 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15442

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta