Hipotensão ortostática em idosos: influência de fatores correlatos

Hipotensão ortostática em idosos: influência de fatores correlatos

Autor Santos, Fânia Cristina dos Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Ramos, Luiz Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A fim de verificar a prevalencia de hipotensao ortostatica (HO) na populacao idosa do Distrito de São Paulo, conduzimos um estudo transversal em uma amostra de 720 idosos da comunidade, com idade igual ou superior a 65 anos, participantes da primeira fase do Projeto EPIDOSO (oEstudo Longitudinal em uma populacao de idosos residentes no municipio de São Pauloo). Deste projeto, realizado entre 1991/1994, participou um total de 1667 idosos, que foram abordados tanto por meio de inqueritos clinicos, como por meio de entrevistas domiciliares. A pressao arterial (PA) foi aferida nas posicoes supina e ortostatica, em uma unica ocasiao, por observadores treinados. Foram considerados tres diferentes criterios para definir HO, possibilitando, assim, a comparacao com outros estudos, a saber: criterio 1- define HO como queda maior ou igual a 20mm Hg na PA sistolica e/ou queda maior ou igual a 10mmHg na PA diastolica, entre as posicoes supina e ortostatica, com um minuto apos ter assumido a ortostase; criterio 2- define HO como queda maior ou igual a 20mmHg na PA sistolica e queda maior ou igual a 10mmHg na PA diastolica entre as posicoes supina e ortostatica, tambem apos um minuto; criterio 3- define HO como queda maior ou igual a 20mmHg apenas na PA sistolica entre as posicoes supina e ortostatica, novamente apos um minuto. Sao apresentadas as distribuicoes de frequencia das pressoes sistolica e diastolica, assim como a frequencia de algumas variaveis independentes, como: caracteristicas sociodemograficas (idade, sexo, raca, estado civil, grau de instrucao, situacao ocupacional e remuneracao), antecedentes morbidos (diabetes mellitus, infarto do miocardio, acidente vascular cerebral, varizes, obesidade e hipertensao arterial), uso de fumo e alcool, uso de medicacao, grau de autonomia, atividade fisica, deficit cognitivo, Saúde mental, quedas e fraturas. Pelos criterios adotados, as prevalencias de HO nos idosos do Distrito de São Paulo foram: 26,2% (criterio 1); 6,5% (criterio 2) e 17,7% (criterio 3), observando-se que a HO foi um achado bastante comum entre esses idosos. Quanto a influencia das variaveis independentes analisadas, a HO esteve associada significantemente apenas com o antecedente de infarto do miocardio (pelo criterio 1), e com o grau de autonomia (pelos tres criterios). Desta forma, observamos que o criterio 1 foi o que esteve associado a consequencias clinicas mais comuns. A projecao desses resultados para a populacao com idade superior ou igual a 65 anos, do Distrito de São Paulo, faz supor a existencia de um grande contingente de idosos sob maior risco de desenvolver complicacoes relacionadas a HO
Assunto Humanos
Hipotensão ortostática
Pressão arterial
Fatores de risco
Idioma Português
Data 1997
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 115 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 115 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15543

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta