Frentes de ondas (wavefronts) e limites da visão humana Parte 1: fundamentos

Frentes de ondas (wavefronts) e limites da visão humana Parte 1: fundamentos

Título alternativo Wavefronts and the limits of human vision Part 1: fundamentals
Autor Jankov, Mirko Autor UNIFESP Google Scholar
Mrochen, Michael Google Scholar
Schor, Paulo Autor UNIFESP Google Scholar
Chamon, Wallace Autor UNIFESP Google Scholar
Seiler, Theo Google Scholar
Instituição UniversitätsSpital Zürich
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Instituto de Física Aplicada
Resumo Light spreads out uniformly at the same speed in all directions. Its position at any given moment is a sphere that connects all the corresponding phase points, having the source at its center. Such imaginary spherical surfaces are called light fronts or wavefronts. There are three principal factors that limit the finest details an eye can see: optical (due to scattering, diffraction, chromatic and monochromatic aberration), retinal and neural factors (limiting visual acuity to an approximate maximum of 20/10 or 2.0). A mathematical system, the Zernike polynomials, can define geometrical surfaces in order to describe the monochromatic aberrations, both for the lower order aberrations ('prism', 'sphere' and 'astigmatism') and the higher order ones ('coma', 'spherical aberration' and others). The wavefront measures the performance of the whole optical system of the eye. Both systems described herein, the aberrometer based on the Tscherning principle and the one originated from the Hartmann-Shack sensor, start from the same logic: to compare the actual position of the wavefronts with the ideal one, calculate mathematically the geometrical surface that describes that discrepancy and represent it in the terms of the Zernike polynomials. Corneal topography measurement, with adequate software, can also express the wavefront, caused by the corneal irregularities, with the Zernike polynomials, but it still represents the anterior corneal surface only. Wavefront technology offers a new way to quantify and classify optical imaging errors of the human eye. The next article will deal with the peculiarities of the wavefront analysis, as well as with some of the clinical and surgical applications to the day-to-day ophthalmic practice.

A luz se propaga uniformemente a partir de um ponto luminoso na mesma velocidade em todas as direções. Sua posição em cada determinado momento é uma esfera formada juntando-se todos os pontos em uma mesma fase e tendo como centro a sua própria fonte. Tais superfícies esféricas imaginárias chamam-se frentes de luz ou frentes de ondas. Há três fatores limitadores de detalhes mais finos para o olho humano: óptico (por causa da dispersão, difração, aberração cromática e aberração monocromática), retínico e neural (limitação máxima de acuidade visual de aproximadamente 2,0 ou 20/10).Um sistema de equações matemáticas, polinômios de Zernike, pode definir superfícies geométricas para descrever aberrações ópticas monocromáticas, tanto as de baixa ordem ('prisma', 'esfera' e 'astigmatismo'), quanto às de alta ordem ('coma', 'aberração esférica' e outros). Medida das aberrações ópticas nos dá informação sobre o desempenho total de todos os elementos ópticos do olho em conjunto. Dois sistemas descritos aqui, o aberrômetro baseado no princípio de Tscherning e o originado do sensor Hartmann-Shack, têm a mesma lógica: comparar a posição atual das frentes de onda com a ideal, calcular matematicamente qual é a superfície geométrica que descreve essa discrepância e representá-la em termos de polinômios de Zernike. A topografia corneana computadorizada também pode, com software adequado, descrever as frentes de ondas definidas por irregularidades corneanas com polinômios de Zernike, porém tal caracterização representa somente a superfície anterior da córnea. Em conclusão, a tecnologia de frentes de ondas oferece nova maneira de quantificar e classificar os erros de imagem óptica do olho humano. O próximo artigo abordará as peculiaridades da análise de frentes de ondas, bem como algumas aplicações clínicas e cirúrgicas no dia-a-dia da prática oftalmológica.
Assunto Light
Cornea
Corneal topography
Refractive errors
Visual acuity
Ocular refraction
Luz
Córnea
Topografia da córnea
Erros de refração
Acuidade visual
Refração ocular
Idioma Português
Data 2002-12-01
Publicado em Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. Conselho Brasileiro de Oftalmologia, v. 65, n. 6, p. 679-684, 2002.
ISSN 0004-2749 (Sherpa/Romeo)
Editor Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Extensão 679-684
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492002000600016
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-27492002000600016 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1561

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S0004-27492002000600016.pdf
Tamanho: 1.488Mb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta