Análise comparativa entre os diferentes métodos de prescrição da intensidade do treinamento de membros inferiores com o limiar anaeróbico, em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica

Análise comparativa entre os diferentes métodos de prescrição da intensidade do treinamento de membros inferiores com o limiar anaeróbico, em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica

Título alternativo Comparative analysis between different prescription methods for intensive training of lower limbs with anaerobic threshold in patients with obstrutive lung diseases
Autor Zacarias, Eliane Cristina Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Jardim, José Roberto de Brito Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Em indivdíuos normais, a intensidade ideal de treinamento para a melhora da `performance' aeróbia situa-se próxima ao limiar anaeróbio LA). Usualmente essa intensidade corresponde em porcentagem do máximo atingido (porcentagem max) a 60-90(por cento) para a freqüência cardíaca (FC), 50-85(por cento) do consumo máximo de oxigênio (VO2max) e 60(por cento) da freqüência cardíaca máxima de reserva (FCmax res). Porém, em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), esses valores em (porcentagem) max podem ter significativas alterações pela limitação ventilatória presente. O objetivo deste trabalho foi analisar em pacientes com DPOC, com graus variados de obstrução, a qual percentual do máximo atingido e previsto, preconizado por várias maneiras de treinamento propostas, corresponde ao valor do limiar anaeróbio, sendo este valor, então, indicativo para a prescrição da intensidade adequada ao treinamento de membros inferiores para esses pacientes. Foram avaliados vinte pacientes com DPOC, do sexo masculino, pré-reabilitação pulmonar, submetidos a avaliação clínica e espirométrica. Os valores do limiar aeróbio foram obtidos a partir da análise do teste de exercício cardiopulmonar máximo em cicloergômetro. Os pacientes foram separados em dois grupos de acordo com o volume expiratório forçado em um segundo (VEF1), usando como limite 1,2 litro, que corresponde à mediana da amostra avaliada (grupo 1, n=11, VEF1=0,93 ñ 0,19 litro e grupo 2, n=9, VEF1=1,4 ñ 0,15 litro). O grupo 1 apresentou menor VO2 máximo em (porcentagem) do previsto (p<0,05), menor (delta)FC (FC max - rep)/ rep (p < 0,05), com alta relação do volume minuto comm ventilação voluntária máxima (VE/VVM). As médias do valores em (porcentagem) max foram significantemente maiores no grupo 1 (p<0,05), em relação aos seguintes métodos: FC LA/FCmax atingida (atg) grupo 1 = 88,1 ñ 8,8(por cento) (75-100(por cento)), grupo 2 = 78,9 ñ 6,0(por cento) (70-90(por cento)); Carga LA/Carga max grupo 1 = 72,3 ñ 17,7(por cento) (45-100(por cento), grupo 2 = 53,9 ñ 10,69por cento) (30-65(por cento); VO2LA/VO2max atg grupo 1 = 76,7 ñ 12,5(por cento) (50-90(por cento), grupo 2 = 61,7 ñ 6,6(por cento) (55-75(por cento). Entretanto, considerando-se a ampla variabilidade dos valores precentuais obtidos, não foi determinar faixas ideais de treinamento. Concluímos que os pacientes com DPOC mais acentuada apresentam elevado grau de limitação ...au).
Assunto Exercício
Educação física e treinamento
Pneumopatias obstrutivas/reabilitação
Exercise
Physical education and training
Lung diseases, obstructive /rehabilitation
Idioma Português
Data 1998
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1998. 79 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 79 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15611

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta