Mecanismos moleculares da rejeicao aguda celular aos aloenxertos: estudos em modelo experimental e em humanos

Mecanismos moleculares da rejeicao aguda celular aos aloenxertos: estudos em modelo experimental e em humanos

Título alternativo moleculara mechanisms of rejection acute cellular to the aloenxeros: studies in experimental model and human
Autor Pacheco-Silva, Alvaro Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A rejeicao aguda continua sendo uma causa importante de perda de enxerto. Apesar do grande avanco da imunologia ainda nao sao conhecidos os mecanismos da resposta imune ao aloenxerto, nem os mecanismos pelos quais o enxerto e destruido. Neste. trabalho tentamos avaliar o papel de algumas citocinas (IL-2, IL-4 e gIFN) de enzimas citolititicas especificas de linfocito CD8 (Perforina, granzima B e Fas ligante) e de macrofagos (iNOS). Para isso utilizamos dois estudos diferentes e complementares. No primeiro utilizamos um modelo experimental de transplante de ilhotas em camundongos diabeticos e procuramos detectar intra enxerto RNAm de citocinas ou enzimas citoliticas e relaciona-los com o curso da rejeicao. No segundo estudo procuramos detectar RNAm de citocinas e de moleculas associadas a atividade citotoxica em enxertos renais humanos rejeitados. Nos dois estudos utilizamos a tecnica da RT-PCR. No modelo experimental de transplante de ilhotas detectamos IL-2 e gIFN, durante a aloresposta, mas nao IL-4. Tambem detectamos RNAm de granzima B, comprovando a participacao dos linfocitos CD8 na destruicao do enxerto. Em animais que receberam enxertos singeneicos e em animais tratados com imunossupressores potentes, nao detectamos RNAm de IL-2, o que confirma o seu papel importante e especifico na aloresposta. No outro modelo estudado, obtivemos resultados semelhantes: Detectamos IL-2 e gIFN na maioria dos enxertos com rejeicao, mas em apenas um entre sete enxertos detectamos IL-4. Perforina, Fas ligante e iNOS tambem foram detectadas na maioria das amostras. A deteccao e a intensidade dos transcritos de CD3 e de c-beta (ambos mercadores de linfocitos T) se associaram a intensidade do infiltrado mononuclear. Observamos tambem uma associacao entre o tipo de citocinas detectadas e a intensidade do infiitrado inflamatorio. Nossos resultados sugerem que o mecanismo de rejeicao nos dois estudos foi semelhante, com participacao importante da IL-2 e do gIFN e ausencia da IL-4. Estes resultados sugerem uma participacao preferencial de celulas do tipo Thl na aloresposta ao enxerto. Os mercadores de atividade citotoxica utilizados tambem foram detectados de maneira semelhante nos dois estudos, sugerindo um papel importante de enzimas citoliticas na agressao ao enxerto. O melhor entendimento dos mecanismos de rejeicao pode ser util no diagnostico precoce e no desenvolvimento de novas formas terapeuticas mais especificas
Assunto Reação em Cadeia da Polimerase
Citocinas
Transplante Homólogo
Rejeição de Enxerto
Idioma Português
Data 1998
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1998. 96 p. ilus.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 96 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Texto
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15980

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta