Luxação congênita do quadril: estudo de 103 quadris tratados pela técnica de Salter isolada ou associada a osteotomia do femur

Luxação congênita do quadril: estudo de 103 quadris tratados pela técnica de Salter isolada ou associada a osteotomia do femur

Título alternativo Congenital hip dislocation: study of 103 treated hips for the technique of isolated or associated Salter the osteostomy of the femur
Autor Bertol, Paulo Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Ishida, Akira Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Os resultados do tratamento da LCQ por meio da reducao aberta e osteotomia do iliaco pela tecnica de SALTER (l961) foram analisados em 93 pacientes (lO3 quadris) entre 18 meses e 5 anos de idade. A tecnica de SALTER (l961) foi precedida por periodo de tracao percutanea em 84 quadris (81,55 por cento ), Em 59 quadris (59,28 por cento ) foi associada a osteotomia do femur, logo a seguir ou algum tempo apos a cirurgia inicial, com o objetivo de corrigir a anteversao femoral excessiva. Os quadris foram divididos em grupo A (44 quadris)tratados pela tecnica de SALTER (l961) e grupo B (59 quadris), onde, alem da tecnica de SALTER (l961), foi adicionada subsequentemente a osteotomia do femur. Os resultados do grupo A foram comparados aos do grupo B nas faixas etarias entre 18-30 e 31-60 meses. Os resultados foram bons em 33 quadris (75,00 por cento ) do grupo A e em 38 (64,40 por cento ) do grupo B. No grupo A obtiveram-se 89,28 por cento de bons resultados nos pacientes operados entre 18 e 30 meses (A1), em comparacao com 50,00 por cento de bons resultados nos pacientes operados entre 31 e 60 meses (A2). Essa diferenca mostrou-se estatisticamente significativa (p = O,006). No grupo B nao foi observada diferenca estatistica nos resultados entre os grupos operados entre 18 e 30 (B1) e 31 e 60 meses (B2)$k analise comparativa entre os grupos A e B mostrou que, nos quadris tratados somente pela tecnica de SALTER (l961) entre 18 e 30 meses (A1), 89,29 por cento tiveram bons resultado, ao passo que, naqueles em que foi adicionada a osteotomia do femur (B1), os resultados bons baixaram para 65,00 por cento . Essa diferenca foi estatisticamente significativa (p = O,022). Nos pacientes operados entre 31 e 60 meses nao houve diferenca estatistica nos resultados entre os grupos sem e com osteotomla do femur. O grau de displasia medido pelo IA pre-operatorio, a melhora do IA proporcionada pela cirurgia, o uso de tracao pre-operatoria e o tipo de luxacao nao tiveram influencia nos resultados tanto para o grupo A como para o B. Somente o grupo AI sofreu influencia de tratamento previo, onde os melhores resultados foram obtidos nos quadris que nao haviam sido tratados previamente
Assunto Luxação congênita de quadril
Cirurgia geral
Osteotomia
Idioma Português
Data 1998
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1998. 137 p. ilustab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 137 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15988

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta