Protecao pela pravastatina ao estresse do frio em miocardio de ratos

Protecao pela pravastatina ao estresse do frio em miocardio de ratos

Título alternativo Pravastatin protection to cold stress on myocardium of rats
Autor Bombig Manzoli, Maria Teresa Nogueira Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O frio atua como agente alarmogeno, ativando o sistema simpatico adrenal, liberando catecolaminas e produzindo alteracoes metabolicas, morfologicas e funcionais. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o possivel efeito protetor da pravastatina as alteracoes produzidas pelo estresse do frio em miocardio de ratos. Foram utilizados quarenta ratos EPM - Wistar divididos em quatro grupos: controle; pravastatina, submetidos a solucao de lOmg/kg via oral de pravastatina por quinze dias; estresse pelo frio, mantidos em criostato a -8ºC por quatro horas e grupo pravastatina + estresse submetidos a pravastatina e frio conforme grupo pravastatina e grupo estresse. Os animais foram sacrificados efetuando-se a analise do figado, das supra-renais pela microscopia de luz, atraves de metodos histoquimicos para identificacao de glicogenio (PAS) e lipideos (Sudan IV) com o objetivo de se confirmar o efeito alarmogeno do frio. Fragmentos do ventriculo esquerdo (V.E.) foram analisados a microscopia de luz e pela microscopia eletronica, estabelecendo-se o numero de mitocondrias com destruicao de suas cristas (cristolise). As analises histoquimicas no nivel do ligado e supra-renal evidenciaram deplecao de glicogenio e de lipidios no grupo submetido ao frio e protecao destas alteracoes no grupo submetido a pravastatina previamente ao frio. As alteracoes ultra-estruturais nos cardiomiocitos, quantificadas atraves dos numeros de perfis mitocondriais com cristolise, apresentaram aumento Significante no grupo submetido ao frio (391,9). No grupo submetido previamente a pravastatina observamos reducao destas alteracoes com diferenca estatisticamente significativa (96,6)* p < O.05. Os grupos controle e pravastatina apresentaram respectivamente os seguintes valores de perfis mitocondriais com cristolise: 42,0 e 65,7. O frio induz aumento significativo dos numeros dos perfis mitocondriais com cristolise. Concluindo, o frio induziu aumento significativo do numero de perfis mitocondriais com cristolise. A pravastatina protegeu os cardiomiocitos do V.E. dos animais submetidos ao estresse do frio. Isto ocorreu a custa da reducao do numero de perfis mitocondriais com cristolise
Assunto Mitocôndrias Cardíacas
Estresse Fisiológico
Temperatura Baixa
Pravastatina
Ratos
Idioma Português
Data 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 105 p. ilus., tab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 105 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16127

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta