Avaliação de um novo implante intra-orbitário: resultados preliminares

Avaliação de um novo implante intra-orbitário: resultados preliminares

Título alternativo Evaluation of a new intraorbital implant: preliminary results
Autor Malet, Thierry Google Scholar
Spera, Cláudio Asperti Autor UNIFESP Google Scholar
Alves, Ana Paula Ximenes Google Scholar
Instituição Clinique Monticelli setor de Oculoplástica
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Oftalmologia
Resumo PURPOSE: To describe a new orbital implant, with an original shape, the surgical technique adapted for its implantation and preliminary results. METHODS: The authors describe the surgical technique performed in 22 patients, either as primary or secondary implants. The patients were evaluated in a prospective way to cosmesis (degree of upper lid sulcus and enophthalmos), implant mobility, volume and centralization. Follow-up ranged from 3 to 15 months (average 1 year). RESULTS: A good cosmetic result without cases of severe upper lid sulcus or enophthalmos and a good prosthesis mobility were observed. There was no implant infection, migration or extrusion. CONCLUSIONS: We conclude that the clinical results with the new implant can be compared to the usual coupled ones, but a multicentric study, with longer follow-up is necessary, for a better evaluation of its potential complications.

OBJETIVO: Apresentar novo tipo de implante orbitário, com formato original, o modo de utilização e os resultados clínicos preliminares. MÉTODOS: Os autores descrevem a técnica cirúrgica utilizada para a inserção do novo implante em 22 pacientes, como implante primário ou secundário. Os pacientes foram avaliados de forma prospectiva quanto aos seguintes aspectos: cosmético (grau de sulco suprapalpebral e enoftalmia), mobilidade, centragem e volume do implante. O tempo de seguimento variou de 3 a 15 meses (média 1 ano). RESULTADOS: Observou-se resultado cosmético satisfatório, sem casos de enoftalmia ou de sulco suprapalpebral importante, bem como boa mobilidade das próteses adaptadas sobre o novo implante. Não houve casos de infecção, migração ou extrusão do implante. CONCLUSÃO: Os resultados pós-operatórios com o novo implante são comparáveis aos implantes com pinos externos. Contudo um estudo multicêntrico, com maior tempo de controle pós-operatório é necessário, para avaliação mais acurada das complicações potenciais.
Assunto Orbital implants
Orbit
Biomaterials, compatible
Implantes orbitários
Órbita
Materiais biocompatíveis
Idioma Português
Data 2003-01-01
Publicado em Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. Conselho Brasileiro de Oftalmologia, v. 66, n. 1, p. 51-56, 2003.
ISSN 0004-2749 (Sherpa/Romeo)
Editor Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Extensão 51-56
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492003000100010
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-27492003000100010 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1618

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S0004-27492003000100010.pdf
Tamanho: 452.6Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta