Perfil vocal de regentes de corais do estado de São Paulo

Perfil vocal de regentes de corais do estado de São Paulo

Título alternativo Vocal profile of choirs conductors in the State of São Paulo
Autor Rehder, Maria Ines Beltrati Cornacchioni Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Behlau, Mara Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O objetivo do presente trabalho foi tracar o perfil vocal de regentes de corais do Estado de São Paulo, com o intuito de conhecer aspectos vocais particulares deste profissional tao importante na vida socio-cultural e na Saúde do pais. Participaram deste estudo 150 regentes de corais do Estado de São Paulo. Para a selecao dos sujeitos incluimos regentes de corais infantis e adultos, com ou sem formacao academica especifica, de ambos os sexos. O criterio de inclusao foi o de estar atuando na funcao de regente na data da coleta de dados. A coleta foi feita individualmente pelo mesmo avaliador, nos locais de trabalho dos entrevistados, atraves de questionario fechado, incluindo os seguintes aspectos: composicao do(s) corai(is) que rege quanto ao numero de participantes, faixa etaria, sexo, tipo e divisao de naipes- anos de exercicio de regencia; caracterizacao pessoal do regente; comparacao temporal da voz entre o periodo inicial e atual da regencia; queixas e sintomas vocais e habitos. Do estudo realizado, pudemos concluir que: os regentes tem em media 8,4 anos de exercicio da profissao, regem l coral e ja fizeram de l a 5 anos de aula de canto. Em sua maioria, ensaiam os naipes em separado, cantam junto com os naipes, fazem aquecimento e nao fazem desaquecimento vocal. Para a afinacao do coral, usam piano elou a propria voz. A maior parte considera a voz falada igual a cantada e ambas eficientes, ha concordancia no que se refere ao dom e a tecnica como componentes necessarios a uma boa voz cantada. Com os anos de exercicio de regencia, a tessitura vocal esta mais ampla, a qualidade mais estavel, a passagem mais controlada e a intensidade no pianissimo e no fortissimo permaneceram inalteradas. As queixas vocais mais apontadas foram: pigarro, rouquidao, garganta seca, acumulo de secrecao na garganta, cansaco apos fala, cansaco apos canto e tensao na garganta. A maior parte dos regentes apresenta ate 3 sintomas vocais. Com relacao aos habitos, pudemos constatar que os regentes em sua maioria nao fumam, nao bebem, nao costumam gritar, nao pigarreiam, falam muito e comem tarde da noite. Ao compararmos os dados de maior significancia estatistica pudemos observar que: a rouquidao esta associada a tessitura mais restrita, pior intensidade no pianissimo, qualidade vocal menos estavel e passagem pior, o acumulo de secrecao na garganta esta associado a voz falada nao eficiente, pior intensidade no pianissimo, qualidade vocal menos estavel e a uma pior...(au)
Assunto Voz
Idioma Português
Data 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 68 p. tab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 68 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16234

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta