Contribuicao ao estudo da epidemiologia da citomegalovirose em criancas portadoras da sindrome de Down

Contribuicao ao estudo da epidemiologia da citomegalovirose em criancas portadoras da sindrome de Down

Título alternativo Contribuition to the study of epidemiology of cytomegaloviruse in children with Down syndrome
Autor Canto, Cynhia L. Motta do Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A sindrome de Down e a principal causa de defiCiência mental, com uma estimativa de 1:600 a 1:800 nascimentos. Alem dessa alta frequencia, os portadores da trissomia do cromossomo, 21, sao na maioria, imunocomprometidos, aumentando assim a susceptibilidade as infeccoes, como por exemplo, as causadas pelo CMV. A transmissao horizontal do CMV se da pelo contato do individuo susceptivel com fluidos organicos contendo virus, tais como urina, saliva e sangue. Tal transmissao e sabidamente maior em criancas que frequentam creches. Desta forma, e esperado que os portadores da sindrome de Dovvn estejam mais expostos do que outras criancas normais, devido a sua pouca compreensao das nocoes basicas de higiene e por estarem geralmente institucionalizados (fator que os predispoe ainda mais ao risco de contagio devido ao relacionamento inter pessoal com criancas excretoras do virus),pela salivacao excessiva em funcao da protusao da lingua e pelo comprometimento de seu sistema imunologico. Diante de tais dados, objetivamos nesse trabalho avaliar a prevalencia de anticorpos anti CMV, frequencia de excrecao e incidencia de soroconversao destas criancas Foram estudadas 120 criancas portadoras da sindrome de Down, institucionalizadas na APAE - SP, em faixa de etaria de l a 15 anos de ambos os sexos. Apos coleta de sangue atraves de puncao venosa , utilizamos o soro para reacao de Imunofluorescencia Indireta para deteccao de anticorpos da classe lgG e lgM para CMV. Das criancas soropositivas foram colhidas amostras de secrecao de saliva e urina com periodicidade de 3/3 meses, para avaliacao de possivel excrecao intermitente ou ininterrupta atraves do isolamento virar em cultura de celulas (fibroblasto humano),PCR e deteccao do antigeno pp65, pertencente ao CMV. Decorridos aproximadamente 18 meses do inicio do estudo, novas amostras de sangue das criancas inicialmente soronegativas puderam ser obtidas. A prevalencia inicial de anticorpos anti CMV lgG foi de 76,6 por cento (92/l2O). Anticorpos anti CMV da classe lgM foram detectados em l O por cento (l2/l2O) das criancas soropositivas. Na primeira averiguacao de excrecao viral, a frequencia total de positividade obtida atraves da aplicacao da cultura viral, PCR e deteccao do antigeno precoce ( pp65) pertencente ao CMV em amostras de urina e saliva, foi 74,4 por cento (67/90). Na segunda e terceira averiguacoes a frequencia total de positividade foi 67 por cento (60189) e 61 por cento (55189), respectivamente...(au)
Assunto Citomegalovirus
Epidemiologia
Síndrome de Down
Idioma Português
Data 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 135 p. ilus., tab., graf.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 135 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16245

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta