Radioterapia intersticial para o tratamento dos tumores encefálicos

Radioterapia intersticial para o tratamento dos tumores encefálicos

Título alternativo Interstitial radiotherapy for treatment of brain tumor
Autor Corrêa, Claudio Fernandes Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Teixeira, Manoel Jacobsen Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo E apresentado o resultado do tratamento com radioterapia intersticial de 138 doentes com lesoes neoplasicas encefalicas. Foram avaliados 50 doentes com glioblastoma multiforme, 45 com gliomas de baixo grau, 19, com astrocitomas anaplasicos, 23, com metastases e, um com meningioma. Os resultados foram avaliados em relacao ao sexo, idade, indice de Karnofsky durante execucao do procedimento, volume e localizacao das lesoes e realizacao ou nao de craniotomia, radioterapia e quimioterapia como complemento ao procedimento. A media de idade foi 48,3 anos e 52,2 dos doentes eram do sexo feminino. Crises convulsivas generalizadas, deficit motor, cefaleia, anormalidades mentais, anormalidades visuais, vertigens e comprometimento da linguagem foram os sintomas ou as apresentacoes clinicas mais comum nesses doentes. A media do indice de Karnofsky quando da realizacao do procedimento foi 76,23 e, a mediana do volume dos tumores, 38,83 cm3. Os tumores estavam principalmente localizados nos lobos ou segmentos cerebrais (63,0 por cento ), seguindo-se os localizados profundamente no cerebro (21,8 por cento ) ou no tronco encefalico (3,8 por cento ). A dose de irradiacao na periferia das lesoes foi 6OGy. Baixa taxa de dose proporcionada por 125I ou 192Ir ou alta taxa de dose proporcionada por 192Ir, foram, respectivamente empregados em 73,6O/o, 16,0 por cento e em 1O,4 por cento dos procedimentos. A craniotomia foi realizada em 51,9O/o dos doentes. Telerradioterapia foi aplicada em 27,90/0 dos casos, quimioterapia em 4,5 por cento e radioterapia e quimioterapia em 20,3 por cento . Derivacao ventriculo-peritoneal, drenagem dos cistos tumorais, drenagem cisto-peritoneal e correcao cirurgica de fistula liquorica foram os procedimentos adicionais realizados em alguns desses doentes, A media de acompanhamento desde a instalacao dos sintomas ate o tratamento foi 25,7 meses e, apos o procedimento, 16,1 meses. Nao foi observada a relacao entre o volume da lesao, localizacao do tumor e realizacao ou nao de craniotomia com a probabilidade de sobrevida na curva de Kapian-Meier. Doentes com menos de 40 anos e com indice de Karnofsky mais elevado apresentaram evolucao favoravel. A media de sobrevida dos doentes com gliomas de baixo grau foi 42 meses e a probabilidade de sobrevida em cinco anos, superior a 50 por cento ; a media de sobrevida dos doentes com astrocitomas anaplasicos foi 34 meses e a probabilidade de sobrevida em cinco anos superior a 30 por cento ...(au)
Assunto Braquiterapia
Neoplasias Encefálicas
Idioma Português
Data 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 311 p. ilus.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 311 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16247

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta