Expressão de genes de perforina e granzima-B em linfócitos do sangue periférico de receptores de aloenxerto renal

Expressão de genes de perforina e granzima-B em linfócitos do sangue periférico de receptores de aloenxerto renal

Título alternativo Rxpression of perforin and granzyme-B genes in peripheral blood lynphocytes of renal allograft recipients
Autor Renesto, Paulo Guilherme Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Gerbase-Lima, Maria Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: investigar a relacao entre os niveis de MRNA de moleculas efetoras de citotoxicidade, perforina e granzima-B, em celulas mononucleares do sangue periferico de aloreceptores de enxerto renal e: (l) imunossupressao; (2) ocorrencia de rejeicao aguda celular. Casuistica: foi composta por: (a) seis receptores de aloenxerto renal sem episodios de rejeicao ate tres meses pos-transplante; (b) dez receptores de aloenxerto renal com um episodio de rejeicao de carater reversivel, ocorrido entre o 5º e 8º dia pos-transplante. O tratamento da rejeicao consistiu em pulso de metilprednisolona e /ou OKT3. Nenhum receptor estudado apresentou necrose tubular aguda, nefrotoxicidade por ciclosporina A, rejeicao nao comprovada por biopsia ou infeccoes nos tres primeiros meses pos-transplante. Metodo: Os niveis de mRNA de perforina e de granzima-B foram avaliados atraves do metodo de RT-PCR semi-quantitativo, em amostras de celulas mononucleares do sangue periferico colhidas em dois periodos: (l) na 1ª semana (no dia da biopsia renal ou dia anterior) no grupo de receptores com rejeicao e em epoca equivalente no grupo de receptores sem rejeicao; (2) na 6ª/7ª semana pos-transplante, ocasiao em que todos os receptores apresentavam funcao renal estavel. Resultados e Conclusoes: la) nos receptores que evoluiram sem rejeicao os niveis de mRNA de perforina e granzima-B foram menores na 1ª semana pos-transplante, em relacao ao niveis na 6ª/ 7a semana (medianas: perforina O,47 vs. O,722, p= O,031; granzima-B O,66 vs. O,95, p= O,156), quando as doses de corticosteroide foram mais altas na 1ª semana (85.0 vs 22.5 mg/dia). 1b) Os niveis de mRNA de perforina e granzima-B na 6ª/7ª semana pos-transplante, periodo livre de rejeicao em ambos os grupos, foram maiores nos pacientes sem rejeicao em relacao aos que apresentaram rejeicao (medianas: perforina O,72 vs. O,26, p= O,0047; granzima-B O,95 vs. O,44, p= O,042). O grupo sem rejeicao recebeu doses menores de corticosteroide (22.5 vs 30.0 mg/dia, p=O.O3). Em nenhum dos periodos analisados houve diferenca entre os grupos quanto as doses de ciclosporina e azatioprina. Tais resultados nos levam a conclusao de que os niveis de mRNA de perforina e de granzima-B em celulas mononucleares do sangue periferico estao relacionados com as doses de corticosteroide. 2a) nas amostras de receptores com rejeicao os niveis de mRNA de perforina e granzima-B foram maiores nas amostras colhidas na la semana pos-transplante em relacao as ...(au)
Assunto Transplante de rim
Rejeição de enxerto
Reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa
Idioma Português
Data 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 67 p. ilustab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 67 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16553

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta