Influencia do estadiamento clinico do adenocarcinoma endometrial na angiogenese

Influencia do estadiamento clinico do adenocarcinoma endometrial na angiogenese

Título alternativo Influence of clinical disease stage of endometrial carcinoma in angiogenesis
Autor Speck, Neila Maria de Gois Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Angiogenese e a formacao de novos vasos sanguineos, importantes na disseminacao de celulas tumorais, determinando as metastases. Sua quantificacao tem sido relatada em varios estados, mostrando que quando presente em grande numero nos diversos tumores solidos, pode ser fator de mau prognostico, com decrescimo significativo na sobrevida. O carcinoma endometrial, neoplasia de fatores prognosticos bem estabelecidos, tem sido pouco estudado quanto a sua angiogenese. O estadiamento, bem determinado por avaliacao clinica e intra-operatoria, traduz com relativa fidedignidade, o prognostico da doenca. Com o intuito de avaliar se a neoangiogenese e um fator importante no prognostico da doenca, realizamos o presente estudo, quantificando os vasos e comparando-os com mercadores prognosticos bem conhecidos, os quais sejam o grau de diferenciacao histologica do tumor e o estadiamento. Para corar os vasos, utilizamos metodo imunohistoquimico, o anti-CD34, e para conta-los, metodo morfometrico computadorizado (KS3OO). Avaliamos carcinomas endometrioides do endometrio bem, moderadamente e pouco diferenciados (GI-10 casos, GII-13 casos, GIII-12 casos). Como controle, selecionamos endometrios normais (atroficos-11 casos e proliferativos-l0 casos). Quanto ao estadiamento, 20 pacientes pertenciam ao estadio I, 4 ao II, 9 ao III e 2 ao IV. A analise dos vasos foi realizada por dois observadores, avaliando-se 10 campos de 1OOx de aumento, e ao final estabelecia-se a media. O local determinado para a contagem foi a interface do crescimento tumoral com o estroma adjacente. Nos controles, era avaliada a interface das glandulas endometriais com o estroma adjacente. A media de vasos contados foi de 11,6 para o endometrio atrofico; 13,2 para o proliferativo; 15,3 para o adenocarcinoma GI; 19 para o adenocarcinoma GII e 22,7 para o adenocarcinoma GIII. Nossos resultados mostraram que o adenocarcinoma pouco diferenciado, quanto a angiogenese, e estatisticamente superior ao endometrio normal (atrofico e proliferativo) e ao carcinoma bem diferenciado. O adenocarcinoma moderadamente diferenciado so se mostrou mais angiogenico do que o endometrio atrofico. Os carcinomas GII e GIII nao apresentaram diferencas significantes. A contagem de vasos no carcinoma GI e nos endometrios proliferativo e atrofico foram semelhantes. A angiogenese nao sofreu influencia do estadiamento, como fator isolado, e nem mesmo nos grupos individualizados pelos graus de diferenciacao
Assunto Adenocarcinoma
Endométrio
Neovascularização Patológica
Idioma Português
Data 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 74 p. ilustabgraf.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 74 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16571

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta