Correlação de parâmetros urodinâmicos e clínicos em portadores de incontinência urinária pós prostatectomia

Correlação de parâmetros urodinâmicos e clínicos em portadores de incontinência urinária pós prostatectomia

Título alternativo Correlation of urodynamic with clinical parameters in patients with urinary postprostatectomy incontinence
Autor Alves, Rogerio Simonetti Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Bruschini, Homero Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Nao existe consenso na literatura a respeito da etiologia da incontinencia urinaria pos prostatectomia, observada com a realizacao do estudo urodinamico. Procurou-se verificar os resultados do estudo urodinamico apos 3 tipos de cirurgia: ressecao transuretral (RTU), prostatectomia aberta (PA) e prostatectomia radical retro pubica (PR) e comparar os achados com as caracteristicas dos pacientes. Foram estudados de maneira retrospectiva, 146 pacientes com diagnostico de incontinencia urinaria pos prostatectomia, encaminhados para a realizacao do estudo urodinamico. Foram separados em 3 grupos, de acordo com a cirurgia realizada: 81 apos RTU, 44 apos PA e 21 apos PR. A incontinencia urinaria foi classificada, com base na sintomatologia apresentada, em 3 tipos: incontinencia total, de esforco e de urgencia. Para testar a homogeneidade entre os grupos, comparou-se a idade e o intervalo de tempo entre a realizacao da cirurgia e do estudo urodinamico. , Utilizaram-se testes nao parametricos para as analises estatisticas, exceto para a comparacao das idades. Procurou-se correlacionar a classificacao clinica da incontinencia com sua etiologia no estudo urodinamico. A idade dos pacientes variou de 45 a 88 anos (media 69 anos), e o intervalo entre a cirurgia variou de 2 a 168 meses (mediana 12 meses), nao havendo diferenca significante entre os grupos. A incontinencia de esforco foi mais frequente no grupo PA , em relacao ao grupo RTU (p=0,O1). A incontinencia total foi mais frequente no grupo RTU que no grupo PA (p=O,OO2). As causas da incontinencia, observadas no estudo urodinamico, nao variaram de forma significante, com o tipo de cirurgia realizada (p>O,O5). Fluxo maximo, capacidade cistometrica maxima, volume residual e pressao maxima de fechamento uretral, nao mostraram diferenca significante entre os grupos. O comprimento funcional da uretra foi o unico parametro urodinamico analisado, que mostrou diferenca entre os grupos, sendo menor no grupo PR (p=O,OO5). A disfuncao vesical foi mais frequente nos pacientes com mais de 70 anos (p=O,OOl) e sua presenca teve relacao com o aumento da idade (p=O,OO3). A incontinencia de esforco e a incontinencia total guardaram boa relacao com o achado urodinamico de insufiCiência esfincteriana (VPP= 83 por cento, VPN= 92 por cento). A incontinencia de urgencia apresentou, em relacao ao achado de disfuncao vesical, um VPP satisfatorio (VPP= 92 por cento), porem o VPN mostrou fraca relacao (VPN=42 por cento)..(au)
Assunto Incontinência urinária
Prostatectomia
Urodinâmica
Idioma Português
Data 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 43 p. tab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 43 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16730

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta