Avaliação clínica e urodinâmica de mulheres com instabilidade vesical antes e após eletro-estimulação funcional do assoalho pélvico

Avaliação clínica e urodinâmica de mulheres com instabilidade vesical antes e após eletro-estimulação funcional do assoalho pélvico

Título alternativo Clinical and urodynamical evaluation in women with detrusor instability before and after functional eletrical stimulation of the pelvic floor
Autor Arruda, Raquel Martins Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Girão, Manoel João Batista Castello Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Ha aproximadamente 50 anos a eletro-estimulacao tem sido utilizada no tratamento de diferentes formas de incontinencia urinaria. O objetivo da eletroterapia, no caso da instabilidade vesical, e promover inibicao das contracoes do musculo detrusor, restaurando assim a continencia. Selecionamos 29 mulheres com diagnostico de instabilidade vesical. Avaliamos de forma subjetiva e objetiva (estudo urodinamico e diario miccional), os efeitos da eletro-estimulacao funcional do assoalho pelvico no tratamento desta afeccao. As pacientes submeteram-se a duas sessoes semanais de eletroestimulacao, cada uma durando vinte minutos, por periodo de tres meses consecutivos. Para a eletro-estimulacao foi utilizada sonda com formato cilindrico, de aproximadamente 10 cm de comprimento, posicionada no terco medio da vagina, proximo a espinha ciatica. Os parametros eletricos foram: intensidade de corrente variando de 10 a 100 mA, de acordo com a tolerancia de cada paciente, frequencia de 20 Hz e duracao de pulso de 1 mseg. Apos o tratamento, 75,85 por cento das pacientes consideravam-se curadas ou melhoradas e apenas 24,13 por cento delas se sentiam insatisfeitas com a terapia empregada. Pelo estudo urodinamico observamos que em 34,5 por cento das cistometrias nao houve perda urinaria apos a eletro-estimulacao; em 27,6 por cento dos casos a perda ocorreu, porem com volume pelo menos 50 por cento acima do volume de perda antes da terapia empregada, e, em 37,9 por cento, o exame ficou inalterado. Das 26 pacientes que tinham urgencia miccional, 41,4 por cento referiram seu desaparecimento apos a eletro-estimulacao. Neste estudo, notamos ainda diminuicao gradativa do numero de episodios de perda urinaria. Na avaliacao urodinamica, houve aumento significativo das capacidades cistometrica maxima e no primeiro desejo miccional bem como do volume urinario apos a eletroterapia. Concluimos que a eletro-estimulacao funcional do assoalho e efetiva no tratamento de mulheres com instabilidade vesical. As modificacoes clinicas e urodinamicas foram evidentes. Trata-se de uma forma de tratamento simples, eficaz e com pequena incidencia de efeitos colaterais
Assunto Estimulação elétrica
Incontinência urinária
Idioma Português
Data 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 82 p. tabgraf.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 82 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16838

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta