Emprego da acarbose em pacientes diabéticos hipertensos: efeitos metabólicos e sobre a pressão arterial

Emprego da acarbose em pacientes diabéticos hipertensos: efeitos metabólicos e sobre a pressão arterial

Título alternativo Use of acarbose in hypertensive diabetic patients: metabolic and blood pressure effects
Autor Rosenbaum, Paulo Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Ferreira, Sandra Roberta Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A acarbose, pela inibicao das a-glicosidases intestinais e retardo na absorcao de carboidratos, atenua os incrementos pos-prandiais da glicemia e insulinemia. Seus efeitos sobre outros parametros metabolico-hormonais e sobre a pressao arterial (PA) sao pouco explorados. Avaliamos os efeitos da melhora do controle metabolico obtida pela acarbose sobre diversos parametros, em pacientes com diabetes tipo 2, hipertensao arterial e excesso de peso. Apos 2 semanas de placebo, 44 pacientes foram aleatoriamente alocados para receber acarbose (grupo acarbose ou GA) ou placebo (grupo placebo ou G.P) por 22 semanas. Antes da Introdução e da suspensao deste tratamento, foram submetidos a sobrecarga alimentar padrao (251 Kcal), sendo colhidas amostras de sangue em jejum e 1 hora pos-prandial para determinacao de glicose, hemoglobina glicose perfil lipidico, insulina, pro-insulina e leptina. Submeteram-se, ainda, a monitorizacao ambulatorial de PA de 24 horas (MAPA). Os pacientes em uso de sulfonilureia mantiveram a mesma dose ate o final do estudo. Os grupos eram comparaveis no inicio do estudo quanto as caracteristicas demograficas, antropometricas e bioquimicas. Houve reducao do peso apenas no GA (75,1n11,6 vs 73,1n11,6 Kg; p=0,008). Nao se observou alteracoes na glicemia de jejum ou pos-prandial nos 2 grupos, porem a hemoglobina glicosilada apresentou reducao no GA (6,4n1,7 por cento para S,6n1,9 por cento; p=0,03), mas nao no GP (6,3n2,1 para 6,3n2,0 por cento; p=0,15). Notou-se tendencia a reducao do incremento da glicemia pos-estimulo no GA (49n17 vs 41n25 por cento, p=0,07), o que nao ocorreu no GP (54 n21 vs 62n56 por cento, p=0,57). O perfil lipidico nao se alterou em ambos os grupos. Nao houve alteracoes nos valores da insulinemia de jejum ou pos-prandial ao final dos periodos de tratamento. Os niveis de pro-insulina de jejum diminuiram apenas no GA (23,4+19,3 para 14,3+13,6 pmol/l; p=0,03), nao havendo diferencas nos valores pos-prandiais. Embora nao houvesse alteracao significante no indice de resistencia a insulina ao final do tratamento nos dois grupos, um maior numero de individuos do GA apresentou reducao deste indice em relacao ao GP (75 por cento vs 45 por cento, p=0,107). A leptinemia apresentou reducao em ambos os grupos ao final do tratamento (GP. 26,3+-6,1 para 23,3+-9,4 e GA: 25,0n5,5 para 22,7n7,9 ng/ml; p< 0,05). Os valores iniciais de PA no consultorio eram semelhantes entre os grupos...(au)
Assunto Resistência à insulina
Acarbose
Pressão arterial
Idioma Português
Data 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 84 p. ilustab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 84 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16868

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta