Epilepsia e brotamento das fibras musgosas hipocampais: condição necessária e suficiente?

Epilepsia e brotamento das fibras musgosas hipocampais: condição necessária e suficiente?

Título alternativo Epilepsy and mossy fiber sprouting: necessary and suficient condition?
Autor Longo, Beatriz Monteiro Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Mello, Luiz Eugenio Araujo de Moraes Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Uma das alteracoes plasticas mais estudadas na epilepsia do lobo temporal e o brotamento das fibras musgosas (BFM), observado no hipocampo de pacientes epilepticos e de animais de laboratorio. O aparecimento deste fenomeno tem sido associado ao surgimento das crises epilepticas. No entanto, nossos trabalhos indicam que o padrao e a frequencia das crises epilepticas espontaneas em ratos cronicos nao sao alterados pelo bloqueio do BFM atraves do uso de um inibidor de sintese proteica, a cicloheximida (CHX). Direcionamos nossas investigacoes sobre o BFM de acordo com diferentes perspectivas. Utilizamos protocolos agudos e cronicos com diferentes tempos de sobrevivencia dos animais apos o status epilepticus (SE) e avaliamos suas respostas ao bloqueio do BFM e ao emprego da CHX. Os agentes epileptogenicos utilizados foram a pilocarpina e o acido cainico, injetados por vias sistemicas e intracerebrais, respectivamente. Em termos metodologicos, recorremos as seguintes estrategias: analise comportamental, eletrografica, e histologica dos animais epilepticos. A tecnica de Timm foi usada para verificar o bloqueio do BFM na camada supragranular, a imunohistiquimica foi usada para marcar a expressao de CGRP (calcitonin gene related peptide), e a impregnacao por prata (dark cells) para avaliar a degeneracao neuronal sob o bloqueio do BFM. O bloqueio do BFM, por meio de inibidores de sintese proteica, mostrou ser uma excelente estrategia de estudo do hipocampo epileptico, pois permitiu a investigacao deste fenomeno isolado de outras alteracoes que acompanham os eventos epilepticos. Baseado nesta ideia, nosso trabalho sugere um novo modelo para o estudo das epilepsias do lobo temporal, complementar aos ja existentes. A utilizacao desta estrategia em nossos experimentos ajudou a esclarecer aspectos importantes do BFM e de sua relacao com as crises epilepticas. Indicamos, atraves dos experimentos descritos em nossos artigos, que a reorganizacao sinaptica (BFM) decorrente de um estimulo epileptogenico (inducao do SE) nao constitui a principal causa das manifestacoes epilepticas (crises espontaneas). Em outras palavras, sugerimos que o BFM do hipocampo nao constitui um fator necessario, nem suficiente, I para a geracao das crises epilepticas na epilepsia do lobo temporal
Assunto Epilepsia do lobo temporal
Hipocampo
Pilocarpina
Fibras musgosas hipocampais
Idioma Português
Data 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 78 p. ilustab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 78 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16891

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta