Contribuicao ao estudo da eco-epidemiologia do Paracoccidioides brasiliensis

Contribuicao ao estudo da eco-epidemiologia do Paracoccidioides brasiliensis

Título alternativo Contribuition to the study of the ecoepidemiology of Paracoccidioides brasiliensis
Autor Ono, Mario Augusto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A paracoccidioidomicose e unia micose sistemica, que foi descrita pela primeira vez por Lutz, em 1908. Ate o momento muitos progressos foram obtidos em relacao a imunologia, patologia e diagnostico, porem pouco se conhece sobre a ecologia do agente etiologico, Paracoccidioides brasiliensis. Assim, neste trabalho procuramos esclarecer alguns aspectos da eco-epidemiologia de P. brasiliensis. Inicialmente, avaliamos a possibilidade de utilizacao do cao como marcador epidemiologico de paracoccidioidomicose. Para avaliar a resposta humoral e celular a P. brasiliensis, caes foram imunizados com suspensao de celulas mortas do fungo. Os animais produziram anticorpos anti-gp43, e o pico da resposta ocorreu entre a 4ª e 5ª semana apos a primeira dose. A inoculacao de gp43 por via intradermica em caes previamente imunizados com P. brasiliensis provocou reacao de hipersensibilidade tardia. A reacao apresentou induracao e eritema, e o exame histopatologico da biopsia de pele demonstrou intensa reacao inflamatoria, com presenca de celulas mononucleares e neutrofilos. Uma vez que caes imunizado com celulas de P. brasiliensis produziram resposta humoral especifica contra gp43, foi realizado um estudo soroepidemiologico em caes da regiao Norte do Parana. Os animais foram divididos em tres grupos: cidade (n=54), constituido por caes de raca, saudaveis, com pouco ou nenhum acesso ao campo; periferia (n=213), formado por animais capturados na periferia, area considerada intermediaria entre o meio urbano e rural; e rural (n=38), composto por caes de area rural. Foi utilizado o ensaio de ELISA indireto, com gp43 como antigeno. Os tres os apresentaram reatividades diferentes, sendo que a maior positividade foi observada no grupo rural(89,47 por cento), seguido dos grupos periferia(48.82 popr cento) e cidade...(au)
Assunto Paracoccidioides
Epidemiologia
Sorologia
Ecologia
Paracoccidioidomicose
Idioma Português
Data 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 136 p. ilustab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 136 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17042

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta