Análise quantitativa dos vasos, do epitélio, do colágeno e das fibras musculares da bexiga e da uretra de ratas adultas castradas, antes e durante terapia com androgênios e/ou estrogênios

Análise quantitativa dos vasos, do epitélio, do colágeno e das fibras musculares da bexiga e da uretra de ratas adultas castradas, antes e durante terapia com androgênios e/ou estrogênios

Título alternativo Quantitative znzlysis of vells, epithelium, collagen and muscle fibers of the bladder and urethra of catrated adults female rats, before and during androgenm and/or estrogen replacement therapy
Autor Madeiro, Alberto Pereira Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Girão, Manoel João Batista Castello Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Avaliou-se, neste estudo, o numero de vasos, a espessura do epitelio e a quantidade de fibras colagenas e musculares da bexiga e uretra em ratas castradas e sob regime de reposicao com androgenios e/ou estrogenios. Estudaram-se 59 ratas que foram divididas em 4 grupos: Grupo I (n=14): receberam propilenoglicol; Grupo II (n=15): receberam estrogenios conjugados, na dose de 5Omg/animal/dia; Grupo III (n=15): associacao de estrogenios conjugados e metiltestosterona (dose de O,075mg/kg/dia); Grupo IV (n=15): metiltestosterona isolada, na mesma dose acima. Todas as medicacoes foram administradas por gavagem, durante 28 dias consecutivos. Apos este periodo, os animais foram sacrificados e retiraram-se fragmentos da bexiga e uretra, corando-os com hematoxilina-eosina e picrosirius para estado morfometrico. Em relacao ao numero de vasos, verificou-se que os grupos I e IV nao mostraram diferencas entre si, ao passo que os grupos II e III apresentaram maior quantidade de vasos, tanto na bexiga como na uretra. Na bexiga, a espessura do epitelio foi maior nos grupos que receberam estrogenios, isolados (II) ou associados com androgenios (III). O grupo IV apresentou o mesmo comportamento do grupo que recebeu placebo (I). Observou-se que, na uretra, o grupo IV mostrou maior espessura epitelial em relacao ao grupo em que se utilizou placebo, porem menor do que os grupos onde se administrou estrogenios (II e III). Verificou-se que, na bexiga e na uretra, o grupo I apresentou a mesma quantidade que os grupos III e IV. O grupo II apresentou a menor quantidade de colageno. A contagem de fibras musculares foi significantemente maior nos grupos que receberam hormonios (II, III e IV), enquanto que o grupo I mostrou diminuicao significativa da camada muscular. Concluiu-se que a administracao isolada de androgenios diminuiu significativamente o numero de vasos e a espessura do epitelio, e determinou aumento significante na quantidade de colageno e de fibras musculares, na bexiga. Na uretra, observou-se que houve diminuicao do numero de vasos e aumento, de forma significativa, da espessura do epitelio, do colageno e fibras musculares. Verificou-se, ainda, que a reposicao isolada de estrogenios aumentou, de forma significativa, o numero de vasos, a espessura do epitelio e a quantidade de fibras musculares e determinou diminuicao do colageno, na bexiga e uretra. Por fim, observou-se que a utilizacao da associacao de estrogenio-androgenio determinou ...(au)
Assunto Androgênios
Sistema urinário
Climatério
Colágeno
Estrogênios
Idioma Português
Data 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 97 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 97 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17064

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta