Avaliacao do grau de resistencia aos glicopeptideos em amostras de Staphylococcus aureus isoladas no hospital São Paulo da Universidade Federal de São Paulo- Escola Paulista de Medicina

Avaliacao do grau de resistencia aos glicopeptideos em amostras de Staphylococcus aureus isoladas no hospital São Paulo da Universidade Federal de São Paulo- Escola Paulista de Medicina

Título alternativo Evaluation of the glycopeptide resistance among samples of Staphylococcus aureus isolates in the São Paulo hospital of Federal University of São Paulo - Escola Paulista de Medicina
Autor Roland, Ronald Kleinsorge Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo o grau de resistencia a vancomicina e a Neste estudo foi determinado teicoplanina em 504 amostras de S. aureus. Foram avaliadas cepas isoladas de hemoculturas, colhidas consecutivamente, em pacientes internados no Hospital São Paulo (UNIFESP - EPM). Os metodos de diluicao em agar, com concentracoes crescentes e com pequenas diferencas entre elas, Etest e difusao com disco foram utilizados para avaliar a presenca de cepas GISA (glycopeptide-intermediate S. aureus). As cepas com concentracao inibitoria minima (CIM) = 2,0 mg/mL para vancomicina ou teicoplanina, foram avaliadas tambem pelo Etest com adicao de 4 por cento de cloreto de sodio ao meio de cultura. A determinacao da sensibilidade a oxacilina foi feita utilizando agar screening com 6 mg/mL de oxacilina. Nao encontramos cepas GISA e a ClM50 foi de l 1,0 mg/mL para ambos os glicopeptideos. Na avaliacao das ClMs identificamos que a variacao nos resultados tanto para vancomicina (O,25 a 2,5 mg/mL) quanto para teicoplanina (O,50 a 4,0 mg/mL) esta dentro de um limite muito estreito. Nao foi observado qualquer tendencia a aumento nos valores das CIMs para os glicopeptideos. Embora seja descrito maior facilidade na identificacao de cepas com reduzida sensibilidade aos glicopeptideos com a adicao de 4 por cento de sodio ao meio de cultura, nao identificamos nenhuma cepa quando realizamos esse procedimento. Das cepas avaliadas 36,5 por cento foram resistentes a oxacilina, nao sendo observado qualquer correlacao entre esse tipo de resistencia e as ClMs encontradas para os glicopeptideos. Em decorrencia de nao identificarmos nenhuma cepa de GISA, nao foi possivel a avaliacao da capacidade dos testes utilizados no estudo em identificar essas cepas. Apesar do elevado uso de vancomicina no hospital São Paulo, a prevalencia de cepas de S. aureus com sensibilidade reduzida aos glicopeptideos e extremamente baixa nesse hospital
Assunto Staphylococcus aureus
Glicopeptídeos
Vancomicina
Teicoplanina
Idioma Português
Data 2000
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2000. 116 p. tab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 116 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17113

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta