Esofagectomia trans-hiatal no tratamento do megaesôfago chagásico avançado

Esofagectomia trans-hiatal no tratamento do megaesôfago chagásico avançado

Título alternativo Transhiatal esophagectomy for chagas's disease megaesophagus
Autor Batista Neto, João Autor UNIFESP Google Scholar
Fontan, Alberto Jorge Google Scholar
Nepomuceno, Marcos Da Costa Google Scholar
Lourenço, Laércio Gomes Autor UNIFESP Google Scholar
Ribeiro, Laércio Tenório Google Scholar
Ramos, Carmen Pereira Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Federal de Alagoas
UFAL
UFAL Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes Serviço de Clínica Cirúrgica
UFAL HUPAA
Resumo BACKGROUND: To analize the clinical results, radiologic and endoscopic findings of the transhiatal esophagectomy on Chaga's disease megaesophagus. METHODS: A retrospective study was performed from 1982-2000. Twenty-eight chagasic patients, sixteen female and twelve male, were treated at the General Surgery Service of Hospital da Universidade Federal de Alagoas. The disease was diagnosed by serologic trials and epidemiological or anatomopathological information. Variables studied were: a) pre and postoperative surgery patients complaints as dysphagia, regurgitation, pyrosis, diarrhea, dumping, postprandial fullness, pneumonia and weight status; b) post surgery X Rays series (upper GI) evaluation of the cervical esophagogastric anastomosis and the transposed stomach; c) post surgery endoscopic evaluation to analyze the esophagus stump and the anastomotic suture. The follow-up quantitative variable was expressed by medium and error pattern. The Chi-square test was applied to the dysphagia, regurgitation and pyrosis resolution variables considering p<0,05 values significant. The qualitative variables by percentage and the trusting interval calculated within 95% (IC-95%), with the EpiInfo software. RESULTS: Mean follow-up was 58,2 months (from to 4 - 192). Mean age was 36,5 years (from to 16-67). There was no mortality in this series. There was complete resolution of dysphagia in the majority of the patients (21/28 - 71,4%, p<0,05); 7/28 (25%) needed one or more dilatation sessions. Pyrosis was the most important late follow-up symptom (35,7%) and stump esophagitis the most significant endoscopic finding. The majority of X Rays studies findings were normal. CONCLUSIONS: Transhiatal esophagectomy was efficient to the treatment of chagasic megaesophagus dysphagia however the morbidity was high (78,6%). The mortality in this series was none.

OBJETIVO: Avaliar os resultados da esofagectomia trans-hiatal no tratamento do megaesôfago chagásico avançado. MÉTODO: Foram estudados retrospectivamente 28 pacientes portadores de megaesôfago chagásico avançado (MCA), graus III e IV, segundo a classificação radiológica de Rezende (adotada pela Organização Mundial de Saúde), e que foram submetidos à esofagectomia subtotal trans-hiatal no Serviço de Clínica Cirúrgica do Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes (HUPAA) da Universidade Federal de Alagoas, entre 1982 e 2000. Foram analisadas, as seguintes variáveis: A) Queixas clínicas pré-operatórias versus as pós-operatórias (disfagia, regurgitação, pirose, diarréia, dumping, plenitude pós-prandial, pneumonia e o estado ponderal). B) avaliação radiológica pós-operatória da boca anastomótica esofagogástrica cervical e do estômago transposto. C) avaliação endoscópica pós-operatória do coto esofágico e da boca anastomótica. RESULTADOS: O seguimento variou de 4 a 192 meses, média de 58,18 meses. Dezesseis pacientes eram do sexo feminino e 12 masculinos. Idade mínima de 16 e máxima de 67 anos, média de 36,5 anos. Não houve mortalidade nesta série. Houve resolução plena da disfagia na maioria dos pacientes (20/28 - 71,4%), um (3,6%) referiu disfagia leve que não necessitou tratamento e 7/28 (25%) necessitaram de uma ou mais sessões de dilatação. Nenhum necessitou de dilatação permanente. A pirose foi o sintoma mais importante no seguimento tardio (35,7%), seguida da regurgitação (25%), diarréia (14,3%), plenitude pós-prandial (10,7%) e dumping (3,6%). Houve ganho ponderal em 87,5% dos pacientes avaliados. A esofagite no coto esofágico foi o achado endoscópico mais significativo (46,4%). O esôfago de Barrett no coto remanescente foi encontrada em 10,7% dos casos. A maioria dos achados radiológicos foi normal, embora três doentes (10,7%) tenham apresentado estase gástrica. CONCLUSÃO: A esofagectomia trans-hiatal mostrou-se eficaz para o tratamento da disfagia no megaesôfago chagásico avançado, embora com morbidade elevada, porém com mortalidade nula.
Assunto Esophagectomy
Esophageal achalasia
Barrett esophagus
Chagas disease
Deglutition disorders
Outcome assessment
Esofagectomia
Acalasia esofágica
Esôfago de Barrett
Doença de Chagas
Transtornos de deglutição
Avaliação de resultados
Idioma Português
Data 2003-06-01
Publicado em Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 30, n. 3, p. 230-237, 2003.
ISSN 0100-6991 (Sherpa/Romeo)
Editor Colégio Brasileiro de Cirurgiões
Extensão 230-237
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912003000300011
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0100-69912003000300011 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1714

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S0100-69912003000300011.pdf
Tamanho: 38.71Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta