Estudo morfologico dos implantes de endometriose em ratas tratadas com tamoxifeno, toremifeno e raloxifeno

Estudo morfologico dos implantes de endometriose em ratas tratadas com tamoxifeno, toremifeno e raloxifeno

Título alternativo Morphological aspects of the endometriosis in rats treated with tamoxifene, teremifene and raloxifene
Autor Bellini, Fabio Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A endometriose caracteriza-se pelo crescimento de tecido endometrial fora da cavidade uterina, sendo mais frequente na menacme do que na pos-menopausa, devido a queda dos niveis hormonais. No entanto, com o aparecimento do tratamento de reposicao hormonal estes indices estao em franca ascensao. Neste trabalho, comparamos a acao do tamoxifeno, toremifeno e raloxifeno (SERMs), em ratas com endometriose experimental. Para tanto, ratas foram submetidas a implante de parte de endometrio na parede abdominal. Apos trinta dias, todos os animais sofreram nova cirurgia e efetuou-se a medicao dos implantes, sendo a seguir os animais ooforectomizados. Apos cento e cinquenta dias, as ratas foram divididas em quatro grupos da seguinte maneira: Grupo I (controle) - ratas que receberam dietilestilbestrol (50 mg/kg por dia); Grupo II - ratas que receberam a associacao de dietiiestilbestrol (SO mg/kg por dia) e tamoxifeno (62,5 mg/kg por dia); Grupo III - ratas que receberam a associacao de dietilestiibestrol (50 mg/kg por dia) e raloxifeno (O,75 mg/kg por dia) e Grupo IV - ratas que receberam a associacao de dietilestilbestrol (50 mg/kg por dia) e toremifeno (31,25 mg/kg por dia). Apos 30 dias de tratamento, todos os animais foram anestesiados, e apos abertura da cavidade abdominal identificados e medidos os locais dos implantes, sendo a seguir coletados fragmentos para estudo histologico em microscopia de luz. Nossos resultados macroscopicos mostraram que o dietilestilbestrol mantem os focos de endometriose, sendo que quando o raioxifeno e administrado concomitantemente ocorre regressao dos implantes. Com relacao ao toremifeno notamos aumento dos implantes sendo que o tamoxifeno nao alterou suas medidas. A analise microscopica mostrou em todos os grupos de estudo a presenca de eosinofilos no estroma dos sitios de endometriose, o que nos indica que acao estrogenica que pode ser devido exclusivamente ao uso de dietilestilbestrol, entretanto, ocorre maior infiltracao leucocitaria no endometrio do grupo tratado com toremifeno, o que pode ser um efeito aditivo deste hormonio visto que muitos trabalhos demonstraram efeito agonista deste hormonio sobre o receptor de estrogenio. O raloxifeno foi o unico dos SERMs testados que apresentou efeito antagonista ao diestilestilbestrol em relacao ao receptor de estrogenio, sendo que deve ser mais estudado e, talvez podera tomar-se uma alternativa tanto para o tratamento da endometriose durante a menacme quanto na menopausa
Assunto Endometriose
Tamoxifeno
Toremifeno
Raloxifeno
Ratos
Idioma Português
Data 2001
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2001. 67 p. ilustabgraf.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 67 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17183

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta