Espessura do enxerto de calota craniana e crista iliaca na crista alveolar da maxila como base nos implantes de titanio

Espessura do enxerto de calota craniana e crista iliaca na crista alveolar da maxila como base nos implantes de titanio

Título alternativo Cranial and iliac bone graft used on maxilla for implants of titanium
Autor Gomes Filho, Walter Rossival Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Durante um periodo de cinco anos foram tratados vinte pacientes com enxerto osseo de calota craniana e crista iliaca em maxila com objetivo de promover base ossea suficiente para implante endosseo de titanio com fins de reabilitacao oral. Em dez pacientes usamos osso de crista iliaca e em dez osso de calota craniana. Foi realizado um estudo comparativo da alteracao da espessura entre os dois tipos de osso. Padronizaram-se as medidas de espessura no momento do enxerto e apos 5 a 6 meses, ou seja, no momento da realizacao do implante. Os resultados evidenciaram uma media de perda de espessura com uso de calota craniana de 0,22 º/o e a reabsorcao media foi de 23,30 por cento com uso de osso de crista iliaca. Em um caso de calota craniana ao inves de perda em espessura houve ganho de 0,17 por cento. Concluiu-se que o enxerto de calota craniana quando comparado ao enxerto de crista mantem melhor seu volume num periodo de 5 a 6 meses e que ha a possibilidade do osso de calota craniana nao perder espessura e ate mesmo, embora de modo pouco frequente, aumentar de espessura
Assunto Transplante Ósseo
Maxila/cirurgia
Maxila/lesões
Idioma Português
Data 2001
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2001. 75 p. ilus.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 75 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17497

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta