Caracteristicas sociodemograficas, situacao empregaticia, dor e qualidade de vida em trabalhadores com LER/DORT

Caracteristicas sociodemograficas, situacao empregaticia, dor e qualidade de vida em trabalhadores com LER/DORT

Título alternativo Sociodemographic characteristics, employment situation, pain and quality of life in female workers diagnosed with WRMD
Autor Silva, Evelani Martins da Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Este estudo tem como objetivo analisar as relacoes existentes entre caracteristicas sociodemograficas, situacao empregaticia, caracteristicas da dor e qualidade de vida em um grupo de trabalhadoras diagnosticadas com LERIDORT. Foi realizado um estudo transversal com 103 trabalhadoras atendidas consecutivamente em um Centro de Referencia em Saúde do Trabalhador da cidade de São Paulo, durante o periodo de junho a setembro de 2000. Os instrumentos de analise utilizados foram: questionario desenvolvido especificamente para o trabalho, destinado a registrar dados demograficos, situacao empregaticia e caracteristicas da dor; questionario de Dor de McGill e o questionario para qualidade de vida (SF-36). As caracteristicas demograficas da amostra estudada apresentou-se com idade media de 36,5 anos, com variacao de 23 a 45 anos. A media de escolaridade foi 8,7 anos variando de 4 a 17 anos e a situacao conjugal com 42,7 por cento vivendo sem companheiro e 57,3 por cento vivendo com companheiro. A situacao empregaticia apresentada foi de 15,5 por cento trabalhando, 42,7 por cento afastadas para tratamento, 40,8 por cento desempregadas e 1 por cento aposentadas. A media salarial foi 3,12 salarios minimos. As ocupacoes mais comprometidas foram costureiras (15,4 por cento), operadoras de maquina e montadoras, ambas com 11,6 por cento. Em 28,1 por cento dos casos havia litigio trabalhista contra a empresa e em 19,4 por cento contra a Previdencia Social. Os principais locais de dor foram os punhos (28,1 por cento), bracos (26,2 por cento) e ombros (23,4 por cento). O tempo medio de dor foi de 36,2 meses. Os episodios dolorosos foram diarios em 90,2 por cento dos casos, a duracao foi maior que 6 horas por dia em 55,3 por cento das vezes e a intensidade da dor foi igual ou superior a 8 (escala 0 -10) em 86,4 por cento das entrevistadas. Atividade e esforcos fisicos foram os fatores mais importantes de piora da dor (cerca de 80 por cento); no entanto, dor espontanea foi referida em 77,6 por cento das vezes. Os principais fatores de melhora de dor foram o repouso (63,1 por cento), remedios (50,5 por cento) e fisioterapia (40,7 por cento). A porcentagem do numero de descritores afetivos do questionario de dor de McGill foi maior que a dos descritores sensitivos. Com relacao ao SF-36 (Qualidade de Vida), observou-se que a percepcao de comprometimento fisico e emocional sao fatores determinantes nos indices de perdas relacionados as LERIDORT...(au)
Assunto Transtornos Traumáticos Cumulativos
Qualidade de Vida
Dor
Idioma Português
Data 2001
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2001. 96 p. ilustab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 96 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17615

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta