Implante do cateter de Tenckhoff em criancas portadoras de insufiCiência renal cronica terminal: aspectos tecnicos, complicacoes cirurgicas nao-infecciosas e sobrevida do cateter

Implante do cateter de Tenckhoff em criancas portadoras de insufiCiência renal cronica terminal: aspectos tecnicos, complicacoes cirurgicas nao-infecciosas e sobrevida do cateter

Título alternativo Tenckhoff catheter in children with renal failure: technical aspects, non-infectoius surgical complications and catheter survival
Autor Demuner, Maris Salete Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo Avaliar os aspectos tecnicos para o implante e manutencao do cateter de Tenckhoff em criancas portadoras de IRC terminal, bem como, a frequencia e o tratamento das complicacoes cirurgicas nao-infecciosas e a sobrevida do cateter, buscando identificar os fatores determinantes para a sua permanencia. Metodo: Realizou-se um estudo retrospectivo de dados coletados entre agosto 1988 a agosto de 1997, em um unico centro. Cento e quinze pacientes (66 meninos e 49 meninas), com idade <_ 15 anos, portadores de IRC terminal, foram submetidos ao implante de 261 cateteres de Tenckhoff reto de um e dois cuffs, por laparotomia paramediana transretal. Buscou-se estabelecer associacoes entre as complicacoes cirurgicas nao-infecciosas com sexo, faixa etaria, cirurgia previa e cateter rigido previo, alem de, omentectomia e obstrucao, numero de cuffs com extrusao do cuff e do cateter, sobrevida do cateter e fatores que pudessem influenciar na sua sobrevida. Resultados: A analise de 261 cateteres de Tenckhoff, implantados em 115 criancas portadores de IRC terminal, revelou que 107 pacientes (93 por cento) apresentaram pelo menos uma complicacao cirurgica nao-infecciosa. Os achados mais frequentes foram: obstrucao (71,3 por cento), hernia inguinal (25,2 por cento), hemoperitonio (25,2 por cento), deslocamento do cateter (21,7 por cento), ascite septada (18,3 por cento), hernia umbilical (13,9 por cento), extravasamento (13,9 por cento), hematoma de parede abdominal (13 por cento), hernia incisional (10,4 por cento), extrusao do cuff (8,7 por cento) e extrusao do cateter (7,8 por cento). A hernia inguinal e o extravasamento foram mais frequentes, em criancas com idade inferior a 1 ano. O hematoma da parede abdominal ocorreu com maior frequencia, entre 2 e 5 anos de idade e, nos pacientes portadores de cirurgias abdominais previas. Medidas terapeuticas pouco invasivas foram adotadas com sucesso, para o restabelecimento da funcao do cateter, sem que houvesse necessidade da sua troca. Sessenta pacientes (52,2 por cento) apresentaram essas complicacoes nos primeiros 15 dias de pos-operatorio (complicacoes cirurgicas precoces). A sobrevida do 1º- cateter foi de 11,8 meses, no primeiro ano. A mortalidade foi de 38,3 por cento e nao se relacionou ao implante cirurgico do cateter, sendo a principal causa de obito, a sepse. Conclusao: A observacao de aspectos tecnicos, durante o implante do cateter, contribui para diminuir...(au)
Assunto Humanos
Criança
Insuficiência Renal Crônica
Cateterismo/métodos
Próteses e Implantes
Complicações Pós-Operatórias
Humanos
Criança
Idioma Português
Data 2001
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2001. 170 p. ilus. ,tab.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 170 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17640

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta