Nutrição enteral em crianças gravemente enfermas: a prescrição e a oferta são adequadas as necessidades energéticas estimadas?

Nutrição enteral em crianças gravemente enfermas: a prescrição e a oferta são adequadas as necessidades energéticas estimadas?

Título alternativo Enteral nutrition in critically ill children: an the prescription and the nutrient delivery according to their estimated caloric requirements?
Autor Iglesias, Simone Brasil de Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Carvalho, Werther Brunow de Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Objetivo: Identificar os fatores que dificultam o fornecimento de Nutrição Enteral (NE) na criança grave, avaliando a adequação entre prescrição, necessidades energética: o que ã efetivamente ofertado. Método: Estudo prospectivo tipo coorte, avaliando pacientes (mediana de idade: 8,2 ± 1 1,4 meses, que receberam NE por no mínimo h; desde a internação até 10 dias de oferta nutricional, por via gástrica ou pós-pilórica. As calorias prescritas e ofertadas foram registradas diariamente e comparadas com necessidade energética estimada a partir da taxa metabólica basal (TMB), segundo o padrão da Organização Mundial de Saúde. Para avaliação da gravidade clínica utilizou-se o Pediatric índex of Mortality 2 (PIM 2). Resultados: A mediana da oferta calórica foi de 29,5 ± 5,8kcal/kg/dia, 60 por cento da necessidade energética e 85 por cento das calor prescritas. Em 44 por cento (164/370) dos 10 primeiros dias de NE a relação Ofertado/Programado foi superior a 90 por cento da TMB; esta relação foi adequada em todos os dias de nutrição em apenas 6 pacientes (11 por cento). Nos primeiros 5 dias predominou a subprescrição, passando a prevalecer outros fatores nos 5 dias subseqüentes. As diferenças entre nutrientes prescritos e efetivamente ofertados foram atribuída a interrupções causadas por instabilidade hemodinâmica, manejo de vias aéreas, exames radiológicos, intervenções cirúrgicas e remoção acidental da sonda enteral. F análise bivariada, foram fatores limitantes á oferta programada: PIM> 15 por cento, complicações do trato gastrointestinal e uso de drogas vasoativas de efeito alfa-adrenérgico. Aplicado o modelo de regressão logística, apenas o uso de drogas vasoativas apresentou associação signifcante e independente com a oferta insuficiente de energia (p=0,043). Conclusão: A prescrição e oferta de energia foram inadequadas em mais da metade tempo de NE. Entre as variáveis envolvidas, o uso de drogas vasoativas de efeito alfa-adrenérgico apresentou associação signifcante independente com a oferta insuficiente de energia.
Assunto Nutrição enteral
Criança
Unidades de Terapia Intensiva
Ingestão de energia
Idioma Português
Data 2004
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2004. 129 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 129 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/20354

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta