Maytenus ilicifolia na prevenção da ototoxicidade induzida pela cisplatina em modelo experimental

Maytenus ilicifolia na prevenção da ototoxicidade induzida pela cisplatina em modelo experimental

Título alternativo Maytenas ilicifolia to prevent cisplatin ototoxicity: experimental model
Autor Kasse, Cristiane Akemi Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Cruz, Oswaldo Laércio Mendonça Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Maytenus ilicifolia é uma planta sul americana, muito estudada por apresentar várias propriedades medicinais como analgésica, anti-inflamatória, anti-tumoral, anti¬ ulcerosa e antioxidante. Estas características despertaram interesse em estudar uma possível ação otoprotetora do seu extrato através do mecanismo de bloqueio da produção de radicais livres. Objetivo: Padronizar um método de estudo de ototoxicidade induzida pela cisplatina e medicamentos otoprotetores, através de estudo eletrofisiológico, em cobaias albinas. A partir deste modelo, verificar a possível ação otoprotetora do extrato aquoso de Maytenus ilicifolia na prevenção da ototoxicidade por cisplatina. Método: cobaias fêmeas, albinas divididas em 5 grupos, avaliados através do exame de emissões otoacústicas por produtos de distorção e potencial de tronco encefálico pré e pós ¬medicação. Os grupos foram divididos em: Grupo 1: 10 cobaias utilizando 1 g/kg do EA por dia, 24 horas antes do início do esquema de cisplatina, até o sexto dia. Grupo 2: 5 cobaias utilizando 3 g/kg do EA por dia, 24 horas antes do início do esquema de cisplatina, até o sexto dia. Grupo 3:.10 cobaias com 3 doses de cisplatina no primeiro, quinto e sexto dias, intraperitoneal, na dose de 7,5 mg/kg/d. Grupo 4:.10 cobaias utilizando somente o EA 3 g/kg por 7 dias. Grupo 5: 5 cobaias com EA 1g/d 2 semanas antes do início da cisplatina e na terceira semana quando foi administrada a cisplatina.Resultados: as cobaias com uso exclusivo da cisplatina apresentaram alterações em ambos os exames, com aumento do limiar no PTE e ausência de resposta na emissão otoacústica. Os mesmos efeitos foram observados nas cobaias submetidas ao mesmo tratamento de cisplatina associado ao extrato aquoso, independente da dose e do tempo. O uso somente do extrato aquoso, não alterou os exames. Conclusões: os exames de emissões otoacústicas por produtos de distorção e potencial evocado de tronco foram eficazes na avaliação da função auditiva. A dose de 7,5 mg/kg/d, intraperitoneal, em 3 intervalos distintos, em cobaias albinas foi eficiente para induzir a ototoxicidade pela cisplatina. Apesar do efeito antioxidante da Maytenus ilicifolia, o EA não se mostrou eficiente para bloquear o efeito ototóxico da cisplatina.
Assunto Maytenus
Cisplatino
Efeitos colaterais e reações adversas relacionados a medicamentos
Idioma Português
Data 2006
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2006. 84 p.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 84 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/21266

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta