Contribuição da mamografia e da ultra-sonografia na avaliação da mama reconstruída com retalho miocutâneo

Contribuição da mamografia e da ultra-sonografia na avaliação da mama reconstruída com retalho miocutâneo

Título alternativo Usefulness of mammography and ultrasound for the evaluation of myocutaneous flap-reconstructed breasts
Autor Louveira, Maria Helena Google Scholar
Kemp, Claudio Autor UNIFESP Google Scholar
Vilar, Vanessa Sales Autor UNIFESP Google Scholar
Elias, Simone Autor UNIFESP Google Scholar
Spadoni, Cristiane Grein Basso Google Scholar
Gracino, Alencar Google Scholar
Szejnfeld, Jacob Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
CBR
Resumo Breast reconstruction using myocutaneous flaps has been widely used in patients undergoing modified radical mastectomy for the treatment of breast cancer with significant improvement in esthetical results, which also helps to improve self-esteem of the patients as it minimizes the feeling of mutilation, without changing disease prognosis. Previously, it was believed that there was no risk of recurrence in the reconstructed breast due to the complete removal of breast tissue. However, histological studies have shown that a small amount of glandular tissue may remain after mastectomy, with a high potential for malignancy. Clinical follow-up of mastectomy patients is recommended as most recurring lesions occur at the flap margins and can be detected by palpation. In addition, the inclusion of mammographic and ultrasound monitoring has been proposed for the follow-up of patients as these methods may contribute to the diagnosis of recurrent lesions before they become palpable.

A reconstrução mamária com retalho miocutâneo tem sido amplamente utilizada em pacientes submetidas a mastectomia radical modificada por câncer de mama, com melhora significativa na auto-estima dessas pacientes, minimizando o sentimento de mutilação e melhorando a estética, sem promover alteração no prognóstico da doença. Inicialmente acreditava-se não haver risco de recorrência do câncer na mama reconstruída devido à remoção completa do tecido mamário. Porém, exames histológicos têm demonstrado que pode restar pequena quantidade de tecido mamário local após a mastectomia, tendo este tecido remanescente alto potencial de malignidade. Tem-se preconizado o acompanhamento clínico dessas pacientes, uma vez que a maioria das lesões recidivantes se situa nos pontos de inserção do retalho e elas são passíveis de serem detectadas pela palpação. No entanto, tem-se discutido a inclusão da mamografia e da ultra-sonografia no controle dessas pacientes, uma vez que estes métodos podem contribuir para o diagnóstico de lesão recorrente antes de esta tornar-se palpável.
Assunto Breast cancer
Mastectomy
Mammography
Ultrasound
Câncer de mama
Mastectomia
Mamografia
Ultra-sonografia
Idioma Português
Data 2006-02-01
Publicado em Radiologia Brasileira. Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, v. 39, n. 1, p. 63-67, 2006.
ISSN 0100-3984 (Sherpa/Romeo)
Editor Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Extensão 63-67
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842006000100012
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0100-39842006000100012 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/2901

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S0100-39842006000100012.pdf
Tamanho: 302.5Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta