Intermittent negative pressure ventilation may increase urine flow in normal subjects

Intermittent negative pressure ventilation may increase urine flow in normal subjects

Autor Dias, Ricardo Marques Autor UNIFESP Google Scholar
Stabile, Carlos Autor UNIFESP Google Scholar
Dotto, Pedro Autor UNIFESP Google Scholar
Jardim, José Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo In order to analyze the effect of intermittent negative pressure ventilation (NPV) on renal function, we studied 20 healthy male volunteers (mean age 29±4.1 years). NPV was performed with an Emerson Chest Respirator Pump, adjusted to a breathing frequency of 10 respirations per minute, with inspiratory time/total respiratory time ratio of 0.4 and negative pressure of 25 cmH2O. The experimental protocol was carried out in two phases of two hours each - spontaneous breathing and NPV breathing. At the end of each phase, urine volume of the whole period was collected as well as venous blood sample for biochemical determinations. During NPV there was significant increase (P<0.05) in urine flow rate (1.43±0.81 to 2.76±1.95 ml/min) as well as in natriuresis (258±201 to 389±175 mcEq/min), kaliuresis (61±45 to 98±49 mcEq/min), fractional sodium excretion (1.38±0.88 to 1.96±0.98%), osmolar clearance (3.13±1.82 to 4.32±1.24 ml/min) and pH (7.37± 0.04 to 7.41±0.07) with unchanged creatinine and free water clearances. We concluded that NPV increases urine flow rate, kaliuresis and natriuresis but the data we have do not allow us to explain the mechanisms underlying such a phenomenon.

Com o objetivo de avaliar o efeito da ventilação por pressão negativa intermitente (NPV) na função renal, estudamos vinte indivíduos voluntários normais (idade média de 29 ± 41 anos). A NPV foi obtida utilizando-se um respirador Emerson Chest Respirator Pump o qual foi ajustado para assegurar freqüência de 10 respirações por minuto com relação de tempo inspiratório e tempo respiratório total de 0,4 e pressão negativa de 25 cm de água. O protocolo experimental foi desenvolvido em 2 fases com duração de duas horas cada - fase de respiração espontânea e fase de respiração com NPV. No final de cada fase, foi medido o volume urinário e coletado sangue para as determinações bioquímicas. Durante a NPV houve um aumento significante do fluxo urinário (p<0,05) (1,42 ± 0,81 para 2,76 ± 1,95 ml/min), da natriurese (258 ± 201 para 389 ± 175 mcEq/min), da caliurese (61 ± 45 para 98 ± 49mcEq/min), da fração de excreção de sódio (1,38 ± 1,82 para 4,32 ± 1,24 ml/min) e do pH (7,37 ± 0,04 para 7,41 ± 0,07). Os clearances de creatinina e de água livre não se alteraram significativamente. Concluímos que a respiração com NPV aumenta o fluxo urinário, a caliurese e a natriurese, porém nossos dados não nos permite explicar a origem deste achados.
Assunto Antidiuretic hormone (ADH)
atrial natriuretic factor (ANF)
negative pressure ventilation (NPV)
positive end expiratory pressure (PEEP)
Idioma Inglês
Data 1994-06-01
Publicado em São Paulo Medical Journal. Associação Paulista de Medicina - APM, v. 112, n. 2, p. 551-554, 1994.
ISSN 1516-3180 (Sherpa/Romeo)
Editor Associação Paulista de Medicina - APM
Extensão 551-554
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31801994000200006
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1516-31801994000200006 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/339

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1516-31801994000200006.pdf
Tamanho: 698.0Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta