O que fonoaudiólogos e estudantes de fonoaudiologia entendem por fluência e disfluência

O que fonoaudiólogos e estudantes de fonoaudiologia entendem por fluência e disfluência

Título alternativo What speech-language pathologists and students of speech-pathology understand as fluency and disfluency
Autor Oliveira, Ana Maria do Carmo Carvalho de Google Scholar
Ribeiro, Ignês Maia Google Scholar
Merlo, Sandra Google Scholar
Chiappetta, Ana Lúcia de Magalhães Leal Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Biofono Clínicia de Fonoaudiologia
Instituto Brasileiro de Fluência
Universidade Católica de São Paulo
Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo PURPOSE: to check the understanding of current students (those who are in 3rd and 4th year) and Speech-Language Pathology professionals about the concepts of fluency and dysfluency, the components and aspects that affect fluency and the sorts of speech dysfluency. METHODS: 107 questionnaires were applied in a sample of 57 professionals and 50 students of Speech-Language Pathology. Qualitative and quantitative analyses were applied to open questions and quantitative analysis was applied to multiple-choice questions. RESULTS: more than 20 analytic factors were identified for each open answer, but no factor was mentioned by the great majority of subjects. Most cited fluency component was speech rate. Psychological factors such as anxiety and introversion-extraversion are among the more quoted factors that affect fluency level. The three sorts of dysfluency which were more categorized as stuttered were blocks, initial prolongations and defense behaviors. There were not significant statistical differences between students' and professionals' answers. Increase in professional practice has changed some answers. CONCLUSION: the subjects: 1) have revealed an ideal concept of fluency (speech free from disruptions), 2) have considered dysfluency as some kind of disorder and not as a speech inherent event, 3) have considered speech rate, not dysfluency, as fluency's most important component, 4) have considered psychological factors, mainly anxiety, as the factors that have the major impact on fluency level (language, cognitive and genetic factors would have a secondary importance) and 5) have classified dysfluency according to scientific literature.

OBJETIVO: verificar a compreensão dos estudantes de 3º e 4º anos e dos profissionais de Fonoaudiologia em relação aos conceitos de fluência e disfluência, aos componentes e influenciadores da fluência e aos tipos de disfluências. MÉTODOS: foram aplicados 107 questionários a uma amostra de 57 profissionais e 50 estudantes. Foi realizada análise qualitativo-quantitativa das questões abertas e quantitativa das questões fechadas. RESULTADOS: a análise descritiva identificou mais de 20 fatores para as perguntas abertas (conceito de fluência e de disfluência e componentes da fluência), mas nenhum fator citado pela maioria dos sujeitos. O componente da fluência mais listado relaciona-se à taxa de elocução. Fatores psicológicos como ansiedade e introversão-extroversão estão entre os fatores mais citados como influenciadores do grau de fluência. Os tipos de disfluências mais categorizadas como gaguejadas foram bloqueios, prolongamentos iniciais e comportamentos de defesa. Não houve diferença estatisticamente significante entre profissionais e estudantes quanto ao perfil de respostas. O aumento dos anos de atuação modificou algumas respostas. CONCLUSÃO: os participantes: 1) apresentaram conceito idealizado de fluência (fala livre de rupturas), 2) consideraram disfluência como sinal de alteração e não como um fenômeno intrínseco da fala, 3) consideraram a taxa de elocução, e não as disfluências, como o componente que mais afeta o grau de fluência, 4) consideraram os fatores afetivos, principalmente a ansiedade, como os que mais influenciam o grau de fluência, atribuindo uma influência secundária a fatores lingüísticos, cognitivos e genéticos e 5) classificaram os tipos de disfluências de maneira alinhada com a literatura.
Assunto Language
Stuttering
Concept Formation
Professional Practice
Linguagem
Gagueira
Formação de Conceito
Prática Profissional
Idioma Português
Data 2007-03-01
Publicado em Revista CEFAC. CEFAC Saúde e Educação, v. 9, n. 1, p. 40-46, 2007.
ISSN 1516-1846 (Sherpa/Romeo)
Editor CEFAC Saúde e Educação
Extensão 40-46
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462007000100006
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1516-18462007000100006 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3606

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1516-18462007000100006.pdf
Tamanho: 118.4Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta