Recuperação populacional e fecundidade dos Kamaiurá, povo Tupi do Alto Xingu, Brasil Central, 1970-2003

Recuperação populacional e fecundidade dos Kamaiurá, povo Tupi do Alto Xingu, Brasil Central, 1970-2003

Título alternativo Population recovery and fertility Among the Kamaiurá, Tupi people of the Alto Xingu, Central Brazil, 1970-2003
Autor Pagliaro, Heloisa Autor UNIFESP Google Scholar
Junqueira, Carmen Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Resumo This paper analyses the fertility of the Kamaiurá, a Tupi people that inhabits the Xingu Indigenous Park (XIP), between 1970 and 2003. Data has been gathered from medical records of the Health Program of the São Paulo Federal University (UNIFESP) at XIP, and from a survey conducted at the Kamaiurá village in 2003. Results have shown that before 1966, high mortality rates due to disputes among the indigenous nations of the region and contagious diseases, as well as moderate fertility levels were responsible for the stability trend of the population. The average population growth between 1967 and 2003 was 3.5%. Total fertility rates increased from 5.7 to 6.2 births per woman, between 1970 and 2003, reaching their highest level in 1980 (6.6). Since the 1990s there has been an ageing of the reproductive patterns, with the decrease of fertility levels among women up to 24 years of age, and an increase among women in the other age groups. The average age at first birth increased from 16.2 to 18.8 years between 1970-2003; the proportion of single women older than 15 years also increased: from 6.3% in 1971 to 26% in 2003; the inter-birth intervals varied between 30.3 and 36 months. The increase in the Kamaiurá's fertility rate was favored by the decrease in general and infant mortality rates, but the Kamaiurá did not abandon their traditional fertility controls, which has allowed a rational and balanced population growth.

Este trabalho analisa a fecundidade dos Kamaiurá, povo Tupi habitante do Parque Indígena do Xingu (PIX), entre 1970 e 2003. As fontes de dados foram os registros do Programa de Saúde da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) no Parque Indígena do Xingu e levantamentos de campo realizados em 2003. O estudo mostrou que até 1966 a população Kamaiurá manteve-se estável devido à alta mortalidade por epidemias de doenças infecciosas e disputas com os povos da região, assim como à fecundidade moderada. Entre 1967 e 2002, essa população cresceu 3,5% ao ano. O nível da fecundidade das Kamaiurá passou de 5,7 para 6,2 filhos por mulher, entre 1970 e 2003, tendo atingido seu valor máximo em 1980 (6,6). A partir da década de 1990, houve um envelhecimento do padrão reprodutivo, evidenciado pela redução dos níveis de fecundidade das mulheres com até 24 anos e aumento entre as mulheres dos demais grupos etários. A média de idade ao nascimento do primeiro filho aumentou de 16,2 para 18,8 anos, no período 1970-2003, e a proporção de mulheres solteiras maiores de 15 anos de idade também cresceu: de 6,3%, em 1971, para 26%, em 2003. Nesse período, o intervalo entre os nascimentos variou entre 30,3 e 36 meses. O aumento da fecundidade dos Kamaiurá foi favorecido pela melhoria das condições de saúde decorrente da queda da mortalidade, mas ocorreu sem o abandono de suas práticas tradicionais de controle da natalidade, o que lhes permitiu crescer de forma racional e equilibrada.
Assunto Kamaiurá's Fertility
Indigenous Population Growth
Indigenous Population in the Lowlands of Latin America
Demography of Indigenous People
Indigenous People of Central Brazil
Fecundidade dos Kamaiurá
Recuperação populacional dos povos indígenas
Índios das Terras Baixas da América Latina
Demografia dos povos indígenas
Povos indígenas do Brasil Central
Idioma Português
Data 2007-08-01
Publicado em Saúde e Sociedade. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública., v. 16, n. 2, p. 37-47, 2007.
ISSN 0104-1290 (Sherpa/Romeo)
Editor Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública.
Extensão 37-47
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902007000200005
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0104-12902007000200005 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/3850

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S0104-12902007000200005.pdf
Tamanho: 199.3Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta