Benign paroxysmal positional vertigo recurrence and persistence

Benign paroxysmal positional vertigo recurrence and persistence

Título alternativo Recorrência e persistência da vertigem posicional paroxística benigna
Autor Dorigueto, Ricardo Schaffeln Autor UNIFESP Google Scholar
Mazzetti, Karen R Google Scholar
Gabilan, Yeda Pereira Lima Autor UNIFESP Google Scholar
Ganança, Fernando Freitas Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade de São Paulo (USP)
UNICID
UNIBAN Program in Vestibular Rehabilitation and Social Inclusion
Resumo Benign paroxysmal positional vertigo (BPPV) is one of the most common vestibular disorders. AIM: To study the recurrence and persistence of BPPV in patients treated with canalith repositioning maneuvers (CRM) during the period of one year. STUDY DESIGN: longitudinal contemporary cohort series. MATERIALS AND METHODS: One hundred patients with BPPV were followed up during 12 months after a treatment with CRM. Patients were classified according to disease evolution. Aquatic physiotherapy for vestibular rehabilitation (APVR) protocol was applied in cases of persistent BPPV. RESULTS: After CRM, 96% of the patients were free from BPPV's typical nystagmus and dizziness. During the follow up period of 1 year, 26 patients returned with typical BPPV nystagmus and vertigo. Nystagmus and vertigo were persistent in 4% of the patients. Persistent BPPV presented improvement when submitted to APVR. Conclusion: During the period of one year, BPPV was not recurrent in 70% of the patients, recurrent in 26% and persistent in 4%.

A vertigem posicional paroxística benigna (VPPB) é das vestibulopatias mais comuns. OBJETIVO: Verificar a recorrência e a persistência da VPPB no período de um ano em pacientes que foram tratados com manobras de reposicionamento de estatocônios (MRE). FORMA DE ESTUDO: coorte contemporânea longitudinal. MATERIAL E MÉTODO: Cem pacientes com VPPB foram acompanhados durante 12 meses após o tratamento com MRE. Os pacientes foram classificados de acordo com a evolução da doença no período de um ano. O protocolo de fisioterapia aquática para reabilitação vestibular (FARV) foi aplicado nos pacientes com VPPB persistente. RESULTADOS: Após as MRE, 96% dos pacientes aboliram o nistagmo e a vertigem de posicionamento. Destes pacientes, 26 apresentaram recorrência da VPPB, no período de um ano. Em 4% dos pacientes, a VPPB foi persistente. Os pacientes com VPPB persistente apresentaram melhora clínica após a realização da FARV. CONCLUSÃO: No período de um ano, a VPPB foi não recorrente em 70% dos pacientes, recorrente em 26% e persistente em 4%.
Assunto vestibular diseases
pathologic nystagmus
rehabilitation
vertigo
doenças vestibulares
nistagmo patológico
reabilitação
vertigem
Idioma Inglês
Data 2009-08-01
Publicado em Brazilian Journal of Otorhinolaryngology. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervicofacial, v. 75, n. 4, p. 565-572, 2009.
ISSN 1808-8694 (Sherpa/Romeo)
Editor Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervicofacial
Extensão 565-572
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942009000400016
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1808-86942009000400016 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5151

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1808-86942009000400016.pdf
Tamanho: 171.3Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta