Oxintomodulina e obesidade

Oxintomodulina e obesidade

Título alternativo Oxyntomodulin and obesity
Autor Pimentel, Gustavo Duarte Autor UNIFESP Google Scholar
Mota, João Felipe Autor UNIFESP Google Scholar
Oyama, Lila Missae Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Since the discovery of leptin, great advances occurred in the characterization of hypothalamic mechanisms involved in the control of food intake and oxyntomodulin is currently recognized as a homeostasis energy regulator. This review discusses the most important interrelationships between the hormone oxyntomodulin and appetite, energy homeostasis and aspects of its role in nutritional biochemistry and physiology. Oxyntomodulin is an anorexigenic peptide produced by the L cells of the small intestine. Recent studies have shown that long-term use of oxyntomodulin in rats leads to reduced food intake and weight gain. Studies in humans have demonstrated that its administration reduces food intake by 25%. Therefore, oxyntomodulin represents a potent anti-obesity therapy. However, its mechanism of action is unknown. Current evidence suggests that it acts via the peptide receptor similar to glucagon 1. Moreover, the literature shows that together with the adoption of healthy habits and lifestyle changes, oxyntomodulin can reduce weight gain.

Desde o descobrimento da leptina, avanços consideráveis foram obtidos na caracterização dos mecanismos hipotalâmicos do controle da ingestão alimentar e, atualmente, a oxintomodulina é reconhecida como um regulador da homeostase energética. O presente artigo de revisão enfoca algumas das mais relevantes inter-relações do hormônio oxintomodulina com o apetite, a homeostase energética e aspectos de seu papel na bioquímica e fisiologia nutricional. A oxintomodulina é um peptídeo intestinal anorexígeno produzido pelas células L do intestino. Recentes estudos têm demonstrado que em longo prazo a administração de oxintomodulina reduz a ingestão alimentar e o ganho de peso. Pesquisas em humanos têm verificado que o seu uso reduz o consumo energértico em 25%. Portanto, a oxintomodulina representa uma potente terapia anti-obesidade. Entretanto, o mecanismo de ação da oxintomodulina ainda é desconhecido. Atuais evidências sugerem que tem ação via receptor do peptídeo semelhante ao glucagon 1. Além disso, a literatura mostra que, juntamente com a adoção de hábitos saudáveis e a mudança do estilo de vida, a oxintomodulina pode proporcionar menor avanço da obesidade.
Assunto Anti-obesity agents
Gastrointestinal
Hormones
Obesity
Peptides
Weight loss
Agentes anti-obesidade
Gastrointestinais
Hormônios
Obesidade
Peptídeos
Perda de peso
Idioma Português
Data 2009-10-01
Publicado em Revista de Nutrição. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, v. 22, n. 5, p. 727-737, 2009.
ISSN 1415-5273 (Sherpa/Romeo)
Editor Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Extensão 727-737
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732009000500013
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1415-52732009000500013 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5300

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1415-52732009000500013.pdf
Tamanho: 390.6Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta