Oral drugs for hypertensive urgencies: systematic review and meta-analysis

Oral drugs for hypertensive urgencies: systematic review and meta-analysis

Título alternativo Drogas orais para urgências hipertensivas: revisão sistemática e metanálise
Autor Souza, Luciana Mendes de Autor UNIFESP Google Scholar
Riera, Rachel Autor UNIFESP Google Scholar
Saconato, Humberto Google Scholar
Demathé, Adriana Google Scholar
Atallah, Álvaro Nagib Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Brazilian Cochrane Center
Universidade Federal do Rio Grande do Norte Department of Medicine
Universidade Estadual de São Paulo Department of Pathology and Propaedeutics
Resumo CONTEXT AND OBJECTIVE: Hypertensive urgencies are defined as severe elevations in blood pressure without evidence of acute or progressive target-organ damage. The need for treatment is considered urgent but allows for slow control using oral or sublingual drugs. If the increase in blood pressure is not associated with risk to life or acute target-organ damage, blood pressure control must be implemented slowly over 24 hours. For hypertensive urgencies, it is not known which class of antihypertensive drug provides the best results and there is controversy regarding when to use antihypertensive drugs and which ones to use in these situations. The aim of this review was to assess the effectiveness and safety of oral drugs for hypertensive urgencies. METHODS: This systematic review of the literature was developed at the Brazilian Cochrane Center, and in the Discipline of Emergency Medicine and Evidence-Based Medicine at the Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM), in accordance with the methodology of the Cochrane Collaboration. RESULTS: Sixteen randomized clinical trials including 769 participants were selected. They showed that angiotensin-converting enzyme inhibitors had a superior effect in treating hypertensive urgencies, evaluated among 223 participants. The commonest adverse event for calcium channel blockers were headache (35/206), flushing (17/172) and palpitations (14/189). For angiotensin-converting enzyme inhibitors, the principal side effect was bad taste (25/38). CONCLUSIONS: There is important evidence in favor of the use of angiotensin-converting enzyme inhibitors for treating hypertensive urgencies, compared with calcium channel blockers, considering the better effectiveness and the lower frequency of adverse effects (like headache and flushing).

CONTEXTO E OBJETIVO: Urgências hipertensivas são definidas como elevações graves na pressão arterial sem evidência de danos agudos ou progressivos a órgãos-alvo. A necessidade de tratamento é considerada urgente, mas permite um controle gradual, utilizando-se drogas orais ou sublinguais. Se o aumento na pressão arterial não está associado a risco de vida ou danos a órgãos alvo, o controle pressórico deve ser feito lentamente durante 24 horas. Em relação às urgências hipertensivas, não é conhecida qual a classe de drogas anti-hipertensivas que promove os melhores resultados e há controvérsia em relação a quando e quais as drogas devem ser utilizadas nestas situações. O objetivo desta revisão foi avaliar a efetividade e a segurança de drogas orais para urgências hipertensivas. METODOS: Esta revisão sistemática da literatura foi desenvolvida no Centro Cochrane do Brasil, e na Disciplina de Medicina de Urgência e Medicina Baseada em Evidências da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM), de acordo com a metodologia da Colaboração Cochrane. RESULTADOS: Os 16 ensaios clínicos aleatórios selecionados incluíram 769 participantes e demonstraram um efeito superior dos inibidores da enzima conversora de angiotensina no tratamento da urgência hipertensiva, avaliada em 223 participantes. Os efeitos adversos mais frequentes para os bloqueadores de canal de cálcio foram cefaleia (35/206), rubor (17/172) e alterações do ritmo cardíaco (14/189); para os inibidores da enzima conversora de angiotensina, o efeito colateral mais frequente foi disgeusia (25/38). CONCLUSÕES: Há evidências importantes a favor do uso de inibidores da enzima conversora da angiotensina para o tratamento de urgências hipertensivas, quando comparados aos bloqueadores dos canais de cálcio, devido a maior efetividade e à menor frequência de efeitos adversos, como cefaléia e rubor facial.
Assunto Hypertension
Review [Publication Type]
Antihypertensive agents
Angiotensin-converting enzyme inhibitors
Calcium channel blockers
Hipertensão
Revisão [tipo de publicação]
Anti-hipertensivos
Inibidores da enzima conversora da angiotensina
Bloqueadores dos canais de cálcio
Idioma Inglês
Data 2009-11-01
Publicado em São Paulo Medical Journal. Associação Paulista de Medicina - APM, v. 127, n. 6, p. 366-372, 2009.
ISSN 1516-3180 (Sherpa/Romeo)
Editor Associação Paulista de Medicina - APM
Extensão 366-372
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802009000600009
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1516-31802009000600009 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5332

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1516-31802009000600009.pdf
Tamanho: 221.9Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta