Habilidades de praxia verbal e não-verbal em indivíduos gagos

Habilidades de praxia verbal e não-verbal em indivíduos gagos

Título alternativo Verbal and non-verbal praxic abilities in stutterers
Autor Brabo, Natália Casagrande Autor UNIFESP Google Scholar
Schiefer, Ana Maria Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo PURPOSE: to characterize the verbal and non-verbal praxic abilities in adult stutterers. METHODS: for this research, 40 over 18-year old men and women were selected: 20 stuttering adults and 20 without communication complaints. For the praxis evaluation, they were submitted to Protocolo de Avaliação da Apraxia Verbal e Não-verbal (Martins and Ortiz, 2004). RESULTS: regarding the abilities of verbal praxis, there was a statistically significant difference of number of typical and atypical disfluencies showed by the two studied groups. Phrase repetition was the only type of typical disfluency which showed a statistically significant difference between the groups. Blocking, syllable repetition and prolonging were the atypical disfluencies which showed a statistically significant difference between the groups. Regarding the non-verbal praxic abilities, a statistically significant difference was not found between the groups in the performance of lip, tongue and jaw movements, isolated and in sequence. CONCLUSION: the adult stutterers showed a significantly higher number of typical and atypical disfluencies than non-stutterers (verbal praxis). Stutterers do not differ from non-stutterers in their non-verbal praxic abilities. This finding contradicts those who believe that early stuttering affects non-verbal praxis.

OBJETIVO: caracterizar as habilidades de praxias verbal e não-verbal em indivíduos gagos. MÉTODOS: participaram do estudo 40 indivíduos, com idade igual ou superior a 18 anos, do sexo masculino e feminino: 20 gagos adultos e 20 sem queixas de comunicação. Para a avaliação das praxias verbal e não-verbal, os indivíduos foram submetidos à aplicação do Protocolo de Avaliação da Apraxia Verbal e Não-verbal (Martins e Ortiz, 2004). RESULTADOS: com relação às habilidades de praxia verbal houve diferença estatisticamente significante no número de disfluências típicas e atípicas apresentadas pelos grupos estudados. Quanto à tipologia das disfluências observou-se que nas típicas houve diferença estatisticamente significante entre os grupos estudados apenas na repetição de frase, e nas atípicas, houve diferença estatisticamente significante, tanto no bloqueio quanto na repetição de sílaba e no prolongamento. Com relação às habilidades de praxia não-verbal, não foram observadas diferenças estatisticamente significantes entre os indivíduos estudados na realização dos movimentos de lábios, língua e mandíbula, isolados e em sequência. CONCLUSÃO: com relação às habilidades de praxia verbal, os gagos apresentaram frequência maior de rupturas da fala, tanto de disfluências típicas quanto de atípicas, quando comparado ao grupo controle. Já na realização de movimentos práxicos isolados e em sequência, ou seja, nas habilidades de praxia não-verbal, os indivíduos gagos não se diferenciaram dos fluentes não confirmando a hipótese de que o início precoce da gagueira poderia comprometer as habilidades de praxia não-verbal.
Assunto Stuttering
Speech Disorders
Apraxias
Gagueira
Distúrbios da Fala
Apraxias
Idioma Português
Data 2009-12-01
Publicado em Revista CEFAC. CEFAC Saúde e Educação, v. 11, n. 4, p. 554-560, 2009.
ISSN 1516-1846 (Sherpa/Romeo)
Editor CEFAC Saúde e Educação
Extensão 554-560
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462009000800003
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1516-18462009000800003 (estatísticas na SciELO)
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5346

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: S1516-18462009000800003.pdf
Tamanho: 701.6Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Buscar DSpace


Navegar

Minha conta